Siga-nos

Perfil

Expresso

Sociedade

A noiva madeirense do Daesh

  • 333

Um cartaz em Raqqa, na Síria, avisa as mulheres de que são obrigadas a andar na rua tapadas

Stringer / REUTERS

Jovem foi convertida online por um jiadista, com quem planeou casar-se. A polícia acabou por demovê-la

Magra e discreta, um ar tímido. Vendo-a na rua, ninguém diria que poderia gerar qualquer tipo de suspeita. Com 18 anos, mudou-se da ilha da Madeira para Lisboa, onde entrou num curso no ensino superior. Aparentemente tudo vai bem. É aplicada nos estudos e tem bons modos. Não faz ondas. Mas Joana, nome fictício, passou a estar vigiada pela PJ. Não tanto pelo que já fez, mas pelo que ainda pode vir a fazer.

Há um ano Joana começou a frequentar o Ask-book, uma rede social similar à Ask.fm, em que qualquer pessoa pode fazer perguntas e qualquer pessoa pode dar respostas. Conheceu um muçulmano radicalizado, converteu-se ao Islão, combinaram casar-se e de repente já ponderava mudar-se para os territórios do Estado Islâmico. Virtualmente, estava tudo a acontecer-lhe. Daí a tornar-se suspeita pela Judiciária e a ser alvo de um inquérito-crime foi quase automático. Foi apanhada pela monitorização que as autoridades começaram a fazer com um pente cada vez mais fino aos esquemas de recrutamento online de homens e mulheres para as fileiras do Daesh. Interrogaram-na e, assustada, recuou. O Expresso não sabe se chegou a ser constituída arguida.

Os novos crimes introduzidos pela mais recente alteração à lei de combate ao terrorismo em Portugal, aprovada pelo Parlamento em junho de 2015, vieram permitir que as operações de vigilância alargassem o espectro de suspeitos e apanhassem Joana nessa malha. Os critérios ficaram mais abrangentes. Entre os novos crimes está o ato de “viajar ou tentar viajar para um território diferente do seu Estado de residência ou nacionalidade, com vista ao treino, apoio logístico ou instrução de outrem” para praticar atos terroristas, com uma pena de até cinco anos de cadeia. E também é crime ser recrutado através da internet. Quem “aceder ou obtiver acesso, através de sistema informático ou por qualquer outro meio”, a mensagens incitando à prática de terrorismo e “delas fizer uso” pode apanhar até três anos de prisão.

O que poderá ter acontecido para uma rapariga de uma das zonas mais ultraperiféricas da Europa se ver envolvida com o radicalismo islâmico e a Jihad na Síria? No Ask-book foi possível acompanhar o que escreveu desde que abriu a conta em 2015, porque as perguntas e as respostas podem ser lidas por todos os membros da rede.

Conservadora e sensível

Nas primeiras interações públicas, ainda no ano passado, os posts que foi publicando ajudaram a construir um perfil de uma jovem bem comportada, sem namorado, mais inclinada para estar sozinha do que acompanhada e uma grande amante de gatos. A sua página no Ask-book parece um auto de interrogatório. A cor favorita, a quantidade de jogos instalados no telefone (nenhum, no caso dela), o que fazia ao fim de semana, o facto de gostar de livros, o facto de não gostar de política, a relação com os pais. Boa com a mãe apesar de algumas divergências; má com o pai, por grandes desilusões no passado. Os pormenores que foi revelando deram aos outros frequentadores da rede um esboço sobre que tipo de pessoa era. Conservadora, fechada e sensível. Então, há nove meses, houve uma pergunta que alterou o curso daquele interrogatório pessoal online:

— Se pudesses passar o próximo ano a viver em qualquer ponto do mundo, para onde é que irias?
Joana respondeu que era segredo, com um smile a piscar o olho.
Um mês depois, a mesma pergunta, reformulada:
— Qual é o teu destino de sonho para uma viagem?
— Segredo — escreveu de novo, agora com um coração e um emoji afogueado.

Para onde seria? A parte pública da vida de Joana nos últimos dois meses dá para ver quão depressa avançou a sua relação com o Islão. Em agosto, a jovem respondia a uma primeira pergunta que começava com um “bismillhah”, uma palavra do Alcorão que quer dizer “em nome de Alá”. Esse passaria a ser um padrão. Sempre um “bismillah” e, na maior parte das vezes, uma citação do Alcorão antes de cada pergunta. Rapidamente, as perguntas e respostas transformaram-se em diálogo. Num desses diálogos, quando questionada por um dos seus interlocutores islâmicos sobre há quanto tempo andava a rapariga a ler as mensagens postadas por ele, se há mais de um ano, Joana esclareceu que não se lembrava de quando isso tinha começado exatamente mas “há muito tempo”.

Muitas das mensagens enviadas à estudante madeirense passaram a conter links de vídeos islâmicos e fotografias tiradas a inscrições. Fotografar textos serve para contornar o modo como os sistemas de vigilância eletrónico fazem o reconhecimento automático do que está escrito. Uma dessas fotografias dizia: “Quando duas pessoas se amam mas não comunicam, elas suplicam em nome uma da outra no segredo da oração.” Outra foto, postada na mesma altura, acrescentava: “Bem-vindo à Dunya [mundo terreno] onde não podes estar com aqueles que amas.” E dava esperança: “Mas sê paciente e luta pelo Akhirah [o Além], onde podes ter tudo o que desejas e podes estar com quem amas e o melhor é que tudo é para sempre”. Uma terceira imagem tornava o assunto mais pessoal: “Estou a sofrer demasiado, nunca saberás como me sinto por derramar lágrimas por alguém que nunca cuidou de mim. Sinto-me muito estúpido.”

Seguindo o rasto das mensagens, é difícil perceber quem é o noivo. Parece ser o autor de perguntas postadas de forma anónima. Em contrapartida, existem várias muçulmanas que assinam algumas outras perguntas. Joana passou a conhecer mulheres que envergam nomes islâmicos e exibem indícios de estarem envolvidas com o Daesh. Uma delas, G., que mantém um contacto mais próximo com a jovem madeirense, foi confrontada nos últimos dias por um provocador:

— Não existe um hádice [uma lei] que diz quem vocês não devem agredir numa guerra? Crianças, mulheres, idosos, destruir locais habitados? Os jiadistas fazem todas essas coisas.
— Se não és um muçulmano, não quero saber de ti. Vai-te foder!
O provocador insistiu:
— Por que é que o Estado Islâmico queima pessoas apesar de isso ser ilegal de acordo com a lei islâmica?
— Vai-te foder duas vezes.

G. tem uma página no Tumblr onde se lê no cimo, em letras garrafais, que “além das ideias do mal e do bem, existe um campo [field, o que pode também querer dizer guerra]. Encontramo-nos lá.” As citações do Alcorão são abundantes e há vídeos de combatentes do Estado Islâmico, alguns deles contendo retratos de homens mortos em combate. Os cadáveres são expostos em homenagem. Bandeiras do autodenominado Estado Islâmico convivem com imagens de gatos-bebés e de flores. Joana tornou-se amiga não só de G., mas de mais duas muçulmanas. Uma delas, U., tem igualmente uma página no Tumblr e admite, confrontada por uma pergunta indiscreta, que é meio alemã meio italiana e vive num terceiro país (Brasil).

Não há números sobre as tentativas de recrutamento do Daesh feitas a mulheres em Portugal. De acordo com um estudo publicado pelo International Centre for Counter-Terrorism em Haia, e financiando pelo gabinete coordenador de segurança e contraterrorismo da Holanda, cerca de 17% dos 3900 a 4300 combatentes recrutados na Europa são mulheres. Sendo que os convertidos, isto é, aqueles que passaram a ser muçulmanos recentemente, são 6 a 23% desse universo. Em relação a Portugal, o estudo aborda o que já era conhecido na imprensa. Incluindo a jovem de dupla nacionalidade portuguesa e holandesa que foi para a Síria, Ângela, cujo caso o Expresso tem acompanhado.

“Já não há apelos a viagens à Síria mas a atentados no próprio país”

Os ataques cerrados ao califado estão a fragilizar o Daesh, mas a máquina de propaganda terrorista continua imparável. Na Europa, o número de jovens abertos às mensagens jiadistas continua a aumentar e em alguns países as pessoas sinalizadas e acompanhadas pelos serviços de informações “duplicaram entre dezembro de 2015 e junho de 2016”. As palavras são de Adélio Neiva da Cruz, o diretor do SIS, que revela ainda que se assiste ao aumento dos processos de autorradicalização, “cada vez mais rápidos e anónimos”. O número um dos serviços portugueses de informações anunciou, numa conferência realizada esta segunda-feira na Universidade Nova de Lisboa, a existência de uma mudança na mensagem jiadista nos últimos meses: “Já não há apelos às viagens à Síria, mas sim à prática de atentados no próprio país.”

Segundo o SIS, Portugal continua longe da ameaça jiadista que alastra por países como a França, Reino Unido, Alemanha e Bélgica (de onde são provenientes 65% dos combatentes europeus). Desde 2002 que os serviços aprofundaram os mecanismos de “prevenção da radicalização” [um ano depois dos ataques terroristas em Nova Iorque] junto da comunidade islâmica, “de modo a sinalizar e identificar situações e perfis de risco”, sempre com um cuidado especial: “a não confusão entre o que se entende ser a radicalização para fins violentos e a prática religiosa, mesmo que ortodoxa, do Islão”. Neiva da Cruz garante que não foram encontrados “militantes do Islão extremista” nas mesquitas portuguesas.