Siga-nos

Perfil

Expresso

Sociedade

Mais um GNR ferido na perseguição aos fugitivos de Aguiar da Beira

  • 333

MIGUEL PEREIRA DA SILVA / Lusa

Fonte da GNR confirma a existência de mais um militar ferido, na sequência de uma troca de tiros em São Pedro do Sul

As mais recentes informações disponíveis sobre a perseguição que as autoridades estão a fazer aos dois suspeitos de terem baleado dois militares da GNR, esta madrugada em Aguiar da Beira, matando um deles e ferindo o outro com gravidade, dão conta da existência de mais um militar da mesma corporação ferido depois de ter sido baleado.

Ao Expresso, a GNR apenas confirma este facto, sem avançar mais pormenores sobre as circunstências deste mais recente episódio. A SIC Notícias acrescenta que um dos fugitivos terá entretanto sido detido na zona da Guarda e que o outro continua a monte, na zona de São Pedro do Sul. Durante a fuga, este homem terá baleado os perseguidores e ferido um dos militares, qye terá sido atingido nas duas pernas.

Desde esta manhã, a GNR tem estado a concentrar todos os esforços para tentar detetar e capturar a dupla de suspeitos, tendo também sido alertadas as autoridades espanholas. "Neste momento, a GNR dirigiu todos os esforços para detetar os suspeitos, estão todos os comandos limítrofes em ação, no apoio. A polícia espanhola está obrigatoriamente ao corrente dos acontecimentos, pois não podemos descartar a possibilidade de os suspeitos saírem do país", revelou o major Pedro Gonçalves.

Um militar da GNR de 24 anos foi morto e um outro de 41 anos ficou ferido com gravidade, numa altura em que realizavam uma patrulha em Aguiar da Beira. De acordo com Pedro Gonçalves, estarão envolvidos no mínimo dois suspeitos que devem ser encarados como perigosos, estando um deles identificado e referenciado por outras atividades criminosas, para além de estarem também já duas viaturas suspeitas referenciadas.

"Montámos uma operação no terreno com todos os meios disponíveis da GNR, mais outras forças e serviços de segurança. [A operação] divide-se em controlo de determinados locais, como fronteiras, e fundamentalmente uma componente móvel, onde os meios estão a ser colocados em determinados pontos do território nacional para que rapidamente se localizem e capturem os suspeitos", informou.

Ao contrário do que foi noticiado anteriormente, os dois militares da GNR de Aguiar da Beira foram alvejados durante a madrugada numa ação de patrulhamento e não na sequência de terem sido chamados a responder a um assalto.

Segundo Pedro Gonçalves, os militares terão sido alvejados depois de terem confrontado os suspeitos. "Viemos a aperceber que os suspeitos transportaram um militar para um local próximo, situado a cinco quilómetros. O outro militar ferido foi encontrado no primeiro local na zona industrial de Aguiar da Beira, localidade de Vila Chã", acrescentou.

A GNR só começou a suspeitar que algo se passava com os dois militares em patrulha porque a viatura em que seguiam esteve imóvel durante muito tempo e não conseguiram contactar os militares. "Os militares não tiveram tempo de pedir ajuda, o que nos leva a pensar que foram surpreendidos. A GNR teve conhecimento que algo se estava a passar por volta das 5h, 6h da manhã, mas a situação ocorreu antes disso: os nossos militares não utilizaram o nosso armamento", apontou.

Ainda durante a manhã, enquanto eram efetuadas buscas aéreas, a GNR detetou mais "duas vítimas civis com ferimentos de bala: um senhor que já não apresentava sinais vitais e uma senhora que ainda apresentava sinais de vida e que se encontrava num estado com gravidade".

"Haverá um elevado grau de probabilidade das duas situações estarem interligadas, já que estavam próximos da viatura que foi abandonada", admitiu.

Este casal, com idades na casa dos 40 a 50 anos, já está identificado.

  • Um militar da GNR e um civil mortos em tiroteio no distrito da Guarda

    GNR confirma a morte de um dos dois militares baleados, que se encontravam numa missão de patrulhamento em Aguiar da Beira. Outro militar foi baleado e está em estado grave. Está montada uma “operação de grande envergadura” para capturar dois suspeitos em fuga considerados perigosos

  • “O patrulheiro é a essência da Guarda. É aquele que morre, que vai aos assaltos, à desordem pública, sozinho com outro camarada, e é aquele que ganha menos”, disse José Alho da Associação Socioprofissional Independente da Guarda, depois de ter lamentado a morte de um militar em Aguiar da Beira