Siga-nos

Perfil

Expresso

Sociedade

Protesto dos taxistas: ministra diz que “segurança dos lisboetas está garantida”

  • 333

José Caria

A ministra da Administração Interna, Constança Urbano de Sousa, disse esta segunda-feira à Lusa que a manifestação dos taxistas em Lisboa "está longe de alcançar" a dimensão prevista (6.000 profissionais) e sublinhou que a "segurança dos lisboetas está garantida".

"Espero que a manifestação se desenrole de uma forma serena, como num Estado de direito democrático", comentou Constança Urbano de Sousa, em declarações à agência Lusa, à margem do Seminário Internacional "Estratégias de comunicação no contexto do terrorismo", uma iniciativa da Information Management School da Universidade NOVA (NOVA IMS), do Sistema de Informações da República Portuguesa (SIRP) e do Instituto da Defesa Nacional (IDN), no auditório da Reitoria da Universidade Nova de Lisboa.

A ministra sublinhou que "os taxistas têm o direito de se manifestar, mas de forma ordeira", recordando que houve negociações entre a PSP e os organizadores do protesto de forma a definir o percurso e a segurança.

Os taxistas realizam hoje uma marcha lenta em Lisboa, quase seis meses depois de terem feito um protesto idêntico contra a plataforma Uber e que juntou centenas de carros na capital.

Em luta contra a regulação, proposta pelo Governo, da atividade das plataformas de transportes de passageiros como a Uber ou a Cabify, os organizadores prometem só arredar pé da Assembleia da República -- onde termina a marcha lenta - quando o executivo travar aqueles serviços, que dizem não estar abrangidos pela lei.

As plataformas Uber e Cabify permitem pedir carros descaracterizados de transporte de passageiros através de uma aplicação para 'smartphones', mas estes operadores não têm de cumprir os mesmos requisitos -- financeiros, de formação e de segurança -- que os táxis.

Cerca de seis mil táxis de todo o país são esperados pela organização do protesto, que começou às 7h com uma concentração no Parque das Nações e seguiu cerca das 9h em marcha lenta até à Assembleia da República.