Siga-nos

Perfil

Expresso

Sociedade

Papa confirma vinda a Fátima a 13 de maio de 2017

  • 333

Franco Origlia / Getty Images

Anúncio foi feito este domingo à noite. Além de Portugal, Francisco vai também visitar a Índia, o Bangladesh e África

O Papa Francisco anunciou este domingo à noite que vem a Portugal, mais precisamente a Fátima, no dia 13 de maio de 2017, a propósito da comemoração do centenário da aparição de Nossa Senhora.

A visita a Braga está, assim, descartada, como aliás o próprio Papa Francisco já tinha comentado na semana passada.

O anúncio foi feito na noite deste domingo, em conferência de imprensa, no voo de regresso da deslocação do chefe da Igreja Católica à Geórgia e ao Azerbaijão.

Nesse encontro, o sumo pontífice disse ainda que em 2017 prevê visitar a Índia, o Bangladesh e África.

Durante o voo de regresso a Roma, Francisco deixou em aberto uma viagem à Colômbia, país que, ressalvou, só visitará "quando o processo de paz" entre o governo e a guerrilha das Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia "estiver blindado" e não haja "nenhum motivo para uma marcha-atrás".

Nem de propósito, este domingo à noite soube-se que os colombianos rejeitaram, em referendo, o acordo de paz que o Governo e as FARC assinaram há uma semana e que, para ser válido, tinha de ser ratificado em consulta popular.

  • Paz com as FARC vai fomentar crescimento económico na Colômbia

    Quem é o diz é o Presidente colombiano em entrevista à BBC esta segunda-feira, dia em que o Governo e as FARC vão assinar o histórico acordo de paz definitivo para enterrar mais de 50 anos de conflito armado. Documento só entrará em vigor se maioria dos colombianos votar a favor dele num referendo convocado para o próximo domingo

  • Cessar-fogo definitivo entra em vigor na Colômbia

    A trégua definitiva na Colômbia acontece mais de 50 anos depois do início da guerra entre o Governo e as FARC e quatro anos depois do início das conversações de paz concluídas na semana passada na capital cubana

  • O fim do sofrimento, da dor e da tragédia da guerra. Talvez o início do perdão

    Foi meio século de guerra fratricida: morreram perto de 220.000 pessoas e mais de seis milhões de colombianos são hoje refugiados internos. O acordo de paz entre o governo e as Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia (FARC) foi assinado esta quarta-feira em Havana, Cuba, mas a população ainda terá de o validar num referendo. É um dia histórico mas há uma estrada enorme no caminho até à reintegração dos militares. Falta também perdoá-los

  • Colômbia e FARC assinam histórico acordo de paz

    Quase quatro anos depois de iniciadas as conversações de paz, Governo e rebeldes enterram machado de guerra e assinam acordo que vem pôr fim a mais de cinco décadas de um conflito que se saldou em mais de 220 mil mortos e em milhões de deslocados