Siga-nos

Perfil

Expresso

Sociedade

Escola onde secretária de Estado foi vaiada encerrada por proposta da Câmara Municipal

  • 333

Ministério da Educação assegura que o encerramento já estava previsto há um ano e que partiu da Câmara Municipal de Celorico de Basto com “vista à construção do Centro Escolar da Gandarela”

Depois de na terça-feira a secretária de Estado Adjunta e da Educação ter sido vaiada por um grupo de pais na escola do Rego, em Celorico de Basto, o Governo esclarece que o encerramento do estabelecimento foi ditado pelo anterior Executivo e que resultou de uma proposta da Câmara Municipal. Os protestos tinham como objetivo apelar a Alexandra Leitão para a reversão a decisão.

“A Escola Básica de 1.o ciclo do Rego está encerrada desde 2013. Funciona desde essa altura ao abrigo de autorizações excecionais anuais. O ano passado, por despacho do anterior Governo, determinou-se que o ano letivo 2015/2016 seria o último”, lê-se no comunicado envido esta quarta-feira pela tutela da Educação.

No mesmo documento é ainda referido que o encerramento da escola do Rego tem em vista “a construção do Centro Escolar da Gandarela”, através de fundos comunitários, e que deve servir as “freguesias de Basto (S. Clemente), Ribas, Rego, Vale de Bouro e Caçarilhe”. No novo estabelecimento não haverá turmas constituídas com alunos de anos diferentes.

“As crianças estão já todas integradas no novo centro escolar”, assegura o Ministério, que nega que os pais e encarregados de educação dos alunos da escola do Rego tenham solicitado qualquer reunião com a secretária de Estado.

Na terça-feira, os pais concentraram-se junto aos Paços de Concelho de Mondim de Basto, onde se realizou uma cerimónia presidida pela secretária de Estado Alexandra Leitão para a assinatura de protocolos com 25 autarquias do norte do país destinados ao financiamento da reabilitação de escolas. Enquanto decorriam os trabalhos na sala de sessões da assembleia municipal, ouviam-se os protestos dos manifestantes que, do lado de fora, exigiam ser ouvidos pela governante, enquanto gritavam palavras de ordem em defesa da escola pública e contra o encerramento da escola do Rego.

Os pais eram observados de perto por vários militares da GNR.

O presidente da Câmara de Celorico de Basto, Joaquim Mota e Silva, que também estivera na sala para assinar um dos protocolos, acabou por abandoná-la, para se juntar aos manifestantes em sinal de solidariedade.

Desde o dia 15 que cerca de 40 alunos da escola do primeiro ciclo do ensino básico não frequentam as aulas, depois de os encarregados de educação se terem recusado, naquele dia, a transferir os alunos para o Centro Escolar de Gandarela.

Os pais protestavam contra a decisão do Governo de encerramento da escola do Rego. Alegaram ainda que o centro escolar está demasiado afastado da zona de residência (cerca de 14 quilómetros) das famílias e recordam que a escola do Rego é das que apresenta melhores resultados em todo o concelho, não se justificando por isso encerrá-la.