Siga-nos

Perfil

Expresso

Sociedade

Os escravos do algoritmo

  • 333

getty images

Tenho a certeza que já lhe aconteceu. Fez uma busca na Internet por um tema que depois o perseguiu durante dias. É muito comum acontecer com uma pesquisa relacionada com algo que queremos comprar. Exato, já se recorda. Procurou na Amazon por uns ténis bons para correr e o Facebook andou dias a mostrar-lhe anúncios para sapatilhas desse tipo.

E no YouTube? Todos temos os nossos guilty pleasures. O meu é ouvir umas músicas pop dos anos 80. Não acontece com frequência, mas há sempre uma altura em que cedo ao “Last Christmas”, dos Wham, ou ao “Final Countdown”, dos Europe. Estou preparado para pagar o preço. Nos dias seguintes a ouvir estes temas, lá tenho de andar a desmarcar sugestões do YouTube sobre concertos do George Michael ou da mais recente tournée dos Europe – sim, eles ainda tocam.

Algo do género acontece no Spotify. Todas as sugestões de música são baseadas no que ouço. No Instagram, se virmos mais fotos de determinadas pessoas, serão perfis semelhantes os que nos vão ser sugeridos pela app. O comportamento é análogo nas lojas de apps. Se descarregamos a app “A” é muito provável que possamos comprar igualmente a app “B”.

Entrar na Internet é, assim, entrar no domínio dos algoritmos (clique AQUI para saber do que falamos). O(s) da Google, que estão a acompanhar o que pesquisamos, visitamos, para onde conduzimos, o que comemos, a música que ouvimos, os vídeos que vemos; o(s) do Facebook, que estão de olhos bem abertos ao que partilhamos naquela rede, no Instagram ou no WhatsApp. Estes são os principais olheiros. Mas há outros. A Apple, a Microsoft, a Amazon… tantos a tentar traçar padrões de comportamento e de consumo.

getty images

Nas mãos das forças de segurança, os algoritmos ganham outra dimensão. Negativa, como tão bem mostrou Edward Snowden, mas não só. Nos Estados Unidos, a polícia de Memphis, no Tennessee, por exemplo, utiliza um sistema de “previsão” de crime. Não é nada que se pareça com o que vimos em “Relatório Minoritário”, de Steven Spielberg. Basicamente, as forças de segurança estão a cruzar informação estatística criminal com outras fontes – dados geográficos da cidade, eventos importantes, temperatura ambiente, trânsito, etc. Depois, os algoritmos entram em ação. Como cães de caça, farejam padrões e correlações. O objetivo é prever o que poderá acontecer caso aquelas condições voltem a verificar-se. No caso de Memphis, as autoridades conseguiram determinar locais e alturas mais propícias ao crime. Um reforço policial nessas áreas permitiu, há dois anos, uma diminuição do crime em 24%. Este é o tipo de tecnologia que já é usado hoje por muitas forças de segurança espalhadas pelo mundo.

O tratamento da informação é tão relevante para as forças policiais que a administração Obama lançou no ano passado a Police Data Iniative, que pode ler AQUI. Uma iniciativa que pretende regular e uniformizar a criação destes “polícias de dados” e a correta utilização da informação. E vai mais longe. Vê o espetro total da criminalidade - a que acontece nas ruas e a que pode acontecer entre as forças polícias. Ou seja, ter a capacidade de prever quando um polícia pode tornar-se o vilão da história. Desde o início deste ano (ver AQUI), algumas esquadras nos EUA estão a servir de balão de ensaio para esta análise de comportamento onde são cruzados vários dados, desde os fornecidos pelos recursos humanos até às missões que os polícias executam. Mais uma vez, a ideia é tentar prever. Antecipar.

A minha publicidade vai ser diferente da sua. E será tão díspar quanto o local, a hora e o dispositivo que estivermos a utilizar

Os algoritmos não param aqui. São eles que estão na base do combate às doenças (aquelas que tememos e as que ainda nem descobrimos); vão reger as cidades inteligentes e a forma como a eletricidade e a água são distribuídas; serão os nossos melhores conselheiros na exploração espacial; a inteligência das nossas casas e dos automóveis também vai estar, em parte, sob a sua influência; posso dar centenas de exemplos.

O que interessa reter é que a revolução iniciada por Alan Turing em 1936 não mais parou. O malfadado matemático inglês foi o primeiro a formalizar o conceito de algoritmo e a aplicá-lo na criptografia – a máquina de Turing descodificou a Enigma alemã e com isso contribuiu definitivamente para o final antecipado da IIª Guerra Mundial. Pode saber mais sobre este pioneiro da computação AQUI.

Em toda a sua genialidade, Turing poderá nunca ter antecipado o alcance da sua visão e o impacto dos computadores e da informática nas nossas vidas. Nem em toda a magnitude, nem na gloriosa pequenez que traz, até nós, centenas de anúncios publicitários servidos na Internet. Sim, hoje, os algoritmos que trabalham na Web têm como objetivo primordial servirem-nos retângulos e quadrados a piscar.

Não é a tarefa mais gloriosa para um algoritmo, mas à medida que a Google e o Facebook, principalmente, forem sabendo mais sobre nós (e vão saber), essa publicidade vai tornar-se cada vez mais inteligente e ganhar relevância. Ou seja, será totalmente direcionada. A minha publicidade vai ser diferente da sua. E será tão díspar quanto o local, a hora e o dispositivo que estivermos a utilizar.

getty images

Nessa altura, os algoritmos da publicidade vão, na realidade, conseguir prever, por exemplo, o que queremos comer ou ler a cada momento. Não falta muito. Quem usa o Google Now (o assistente digital da Google) já começa a ter algumas experiências interessantes. Como o aviso que o avião que íamos apanhar está atrasado ou um alerta para que não saíamos agora do trabalho porque está trânsito. Exemplos básicos, mas que já cruzam algumas bases de dados em tempo real.

A evolução deste nosso “gémeo siamês” com capacidades preditivas é um sonho tornado realidade. Um assistente digital que vai atender a todas as nossas necessidades e terá a capacidade de saber o que queremos mesmo antes de saber que o queríamos. Claro que há condicionantes. De início serão comportamentais, essencialmente. Para não ter surpresas desagradáveis (como começar a receber publicidade para a feira de enchidos de Mirandela só porque viu o novo videoclipe do Toy no YouTube), será necessário desenvolver uma persona adequada os algoritmos.

Ou seja, sempre que estivermos ligados à Internet, vamos, intuitivamente, pensar duas vezes antes de fazer uma pesquisa, ver um vídeo, ler um artigo… estamos condenados a criar uma imagem para os algoritmos. Mas isso será temporário. À medida que a inteligência do algoritmo evoluir, ele terá a capacidade de distinguir o que é norma do ocasional. Ainda vamos ter de esperar algum tempo para essa façanha.

Para já, comece a ter mais atenção ao que faz quando está online. Afinal, não quer que os algoritmos fiquem com uma má imagem de si. Certo?