Siga-nos

Perfil

Expresso

Sociedade

A verdade está na uva

  • 333

Do Minho ao Douro, passando pela região do Dão até à planície alentejana, são inúmeras as quintas a franquear os mistérios da arte de vindimar aos cultores do vinho e da vinha

Isabel Paulo

Isabel Paulo

Jornalista

getty images

A falta de tempo ou a distância são fraca desculpa para não sair de casa e regatear aos filhos um dia de azáfama entre parras, uvas, lagares e animais da quinta. Do norte a sul do país, nesta época de vindimas haverá sempre uma quinta próxima de si disposta a partilhar os segredos que se escondem no fundo de uma garrafa dos vinhos de terroir português, cada vez mais premiados e afamados.

Apenas a 30 quilómetros de Lisboa, em Gradil, Mafra, a Quinta de Sant’Ana está pronta a revelar aos mais novos as tradições da vindima, o processo de produção de vinho, e ainda do mel, marmelada, compotas de figo e pêssego. Ann e James Frost, pais de uma família de sete filhos, são os anfitriões desta quinta descontraída, que alberga quatro casas e piscina embrenhadas na paisagem. Além dos apetecíveis piqueniques na vinha, os pequenos vindimadores por um dia são convidados a explorar a natureza e a interagir com os animais da quinta. Em caso de visitas e provas em família (€35 por adulto), os miúdos não pagam, salvo se os pais optarem por serviço de baby sitter.

“Viver o Alentejo em época de vindimas” é de novo a tentadora proposta da Herdade do Esporão. Até 1 de outubro, os fãs da rota dos vinhos DOC de Reguengos de Monsaraz têm muito a descobrir para além da apanha da uva, das visitas guiadas às caves, às provas de vinhos, ao almoço enogastronómico no restaurante Esporão. O dia de prazer mas também de labuta começa com café no alpendre com vistas para a albufeira da Caridade, antes da partida de tesoura na mão rumo às vinhas, enquanto os anfitriões contam as vantagens da agricultura sustentável da herdade, à mistura com histórias e saberes populares. A romagem à adega e à cave a 30 metros de profundidade é brindada com prova de vinhos, até voltar à tona com o apetite aguçado para a mesa (programa completo €85, sem almoço de harmonização de vinhos €65).

Ainda em pleno Alentejo, a colheita de uvas brancas já começou na herdade da família Serrano Mira, vitivinicultores há sete gerações. Na Herdade das Servas, em Estremoz, os vindimadores começam por conhecer a adega, seguindo depois para a experiência mão na uva na mesa de escolha, onde é feita a seleção dos cachos. Depois, chega o esperado momento de saltar para o lagar de mármore e pisar a uva, de preferência antes das provas de vinhos e almoço. Para mais tarde recordar, há ainda direito a t-shirt e garrafa de vinho (€50/€25 sem almoço).

Saltando rumo ao Norte, na revigorada região do Dão, a Casa de Santar, em Nelas, propõe uma viagem no tempo e na história, através de jornada de trabalho de práticas ancestrais de todo o ritual vínico. De 24 de setembro a 8 de outubro (€45/€20 até aos 12 anos), a azáfama é intercalada com refeições a céu aberto, lado a lado com os profissionais que trabalham ao ritmo de cantares típicos. De volta à Casa de Santar, espera-o um circuito à adega e explicação sobre a influência dos processos de vinificação nas características de cada vinho. Para levar o espírito da vindima a sério, não falta a desafiante pisa da uva a pé num dia a finalizar com visita guiada aos jardins deste solar dos finais do século XVII e ao seu Museu dos Coches.

Do Vale do Douro ao Alto Douro Vinhateiro, os programas de enoturismo primam pelo regresso às origens do vinho, com os pés no mosto em lagaradas diurnas e noturnas ao som da concertina

Do Vale do Douro ao Alto Douro Vinhateiro, os programas de enoturismo primam pelo regresso às origens do vinho, com os pés no mosto em lagaradas diurnas e noturnas ao som da concertina

d.r.

Na mais antiga região demarcada do mundo vínico, Património Mundial da UNESCO desde 2001 e berço do renomado Vinho do Porto, o Douro é mais convidativo do que nunca nesta altura de reencontro de usos e costumes. A celebrar 260 anos de história e a dar o exemplo de partilha duriense, a Real Companhia Velha, fundada em setembro de 1756 sob Alvará Régio de El-Rei D. José I, convida a partir de hoje debutantes e saudosistas para um dia de vindimas. A Harvest Experience tem por cenário a Quinta das Carvalhas, pendurada sobre o rio junto ao Pinhão, e a Quinta do Casal da Granja, no planalto de Alijó. Após uma manhã de colheita, o almoço vínico é servido na curiosa Casa Redonda, no topo da propriedade, a 500 metros de altitude. Retemperadas as forças, o trabalho continua no Casal da Granja, na mesa de escolha de uvas, jornada que culmina com a pisa nos lagares de granito e incontornável prova de vinhos (17 de setembro e de 1 a 5 de outubro/€85).

Nesta última quinzena de setembro, a Quinta de la Rosa, nas imediações da vila do Pinhão, detentora da mítica vinha Vale do Inferno, além da tradicional vindima, caminhadas, lagarada noturna, provas e jantar vínico (€50), dispõe ainda da vertente alojamento (10 quatros, quatro suítes, duas casas independentes e piscina com vista para o Douro). A festejar o outono, no Alto Douro Vinhateiro, em Tabuaço, também a Quinta da Pôpa volta a acolher visitantes dos quatro cantos do mundo para as “Vindimas à do Pôpa”. Ao longo de sete horas, os participantes irão vivenciar a aventura da seleção e corte das uvas, transporte da fruta até ao lagar e pisa. A novidade deste ano é a visita ao novo Museu da Vindima da casa, sem descurar o prazer da mesa do almoço tradicional duriense e provas de vinhas comentadas por enólogo (€60). Ainda mais a norte, os apreciadores do verde têm no acolhedor Minho várias quintas como destino, da Quinta das Pereirinhas, em Monção, onde se vindima ao som da concertina, à Quinta de Vilacetinho, com percurso pedestre por Alpendurada, à Quinta da Aveleda, em Penafiel, casa de petiscos minhotos e de provas de Alvarinho e Loureiro. Todos os anfitriões equipam os visitantes com ‘kit vindimas’, como tesoura, balde, chapéus e t-shirt.

Programas

Quinta da Pacheca
Situada em Cambres, Lamego, o dia inclui apanha de uva e lagarada, merenda, almoço e provas de vinho (€20 a €75 euros/pessoa, consoante programa)

Quinta Nova Nossa Senhora do Carmo
Covas do Douro, até 10 de outubro, participação das vindimas, provas e almoço no Conceitus Winery Restaurant (€82, sem vindima €57). Com partida do Pinhão, pode chegar à quinta de barco, atracando no cais do Ferrão

Quinta do Portal
Sabrosa, dormida na Casa das Pipas, experiências vínicas, jantar gourmet, vindima e visita ao armazém de envelhecimento de Siza Vieira e passeio de barco no Douro (€95)

Quinta de Santa Cristina
Celorico de Basto, todas as etapas da vindima, piquenique e provas (€65 a €85, 4 aos 14, €15)

Artigo publicado na edição do EXPRESSO de 24 de setembro de 2016