Siga-nos

Perfil

Expresso

Sociedade

30 arguidos após buscas à Agência Nacional de Inovação

  • 333

Durante o dia, a Polícia Judiciária realizou buscas nas instalações de Lisboa e do Porto. Em causa estão suspeitas de desvio de fundos estruturais, designadamente subsídios comunitários

Após as buscas da Polícia Judiciária (PJ), esta quarta-feira, às instalações de Lisboa e do Porto da Agência Nacional de Inovação (ANI), 30 pessoas foram constituídas arguidas. A investigação está relacionada, informa o Departamento Central de Investigação e Ação Penal (DCIAP) em comunicado, com um eventual desvio de fundos estruturais, designadamente subsídios comunitários.

“Até à data, foram constituídas arguidas 30 pessoas, singulares e coletivas”, lê-se na nota divulgada. “No processo investigam-se factos relacionados com apoios financeiros suportados por fundos comunitários (FEDER, FSE) e pelo orçamento nacional, no contexto do Quadro de Referência Estratégico Nacional (QREN)”.

Ainda não são conhecidos os valores envolvidos na “eventual fraude”. Segundo o comunicado são visadas na investigação “entidades promotoras de várias operações financiadas pelos fundos estruturais” e entidades “prestadoras de serviços ou fornecedoras de bens”.

“Em causa estão suspeitas de crimes de associação criminosa, fraude na obtenção de subsídio, fraude fiscal, burla qualificada, falsificação de documento, abuso de poder”, pode ler-se na nota.

Nesta diligência de investigação participaram elementos Unidade Nacional de Combate à Corrupção da Polícia Judiciária, do Núcleo de Assessoria Técnica da PGR, da Agência para o Desenvolvimento e Coesão, IP, da Inspeção Geral de Finanças e da Direção de Serviços de Investigação da Fraude e de Ações Especiais (Autoridade Tributária).

A investigação é dirigida pelo Ministério Público.