Siga-nos

Perfil

Expresso

Sociedade

Curso 127 dos Comandos é retomado esta quinta-feira

  • 333

Gonçalo Rosa Silva

“O General Chefe do Estado-Maior do Exército autorizou que o 127.º Curso de Comandos retomasse as atividades previstas no Plano de Curso a partir de 15 de setembro de 2016, informa o Exército em comunicado

O 127.º curso de comandos será retomado esta quinta-feira, depois da morte de dois militares ter determinado a sua suspensão, há uma semana, para reavaliação clínica dos restantes formandos.

Em comunicado, o Exército anuncia o reinício das atividades fundamentado nos resultados da avaliação determinada pelo Chefe do Estado-Maior do Exército: "Considerando que não revelou contra indicações clínicas que impeçam a continuidade do Curso (excluindo, naturalmente, os militares que estão ou estiveram internados no Hospital das Forças Armadas e que continuam o seu processo de recuperação), Sua Excelência o General Chefe do Estado-Maior do Exército autorizou que o 127.º Curso de Comandos retomasse as atividades previstas no Plano de Curso a partir de 15 de setembro de 2016, informando Sua Excelência o Ministro da Defesa Nacional da sua decisão".

Os exames avaliaram o estado geral dos formandos –hemograma com plaquetas, glicemia, ureia, velocidade de sedimentação, colesterol (total, HDL e LDL), trigliceridos, ácido úrico, transaminases, gama GT e ionograma – e a degradação das funções hepáticas e renais, a destruição muscular e alterações hidroeletrolíticas, que se manifestam quando o organismo é alvo de um golpe de calor. Cada militar realizou uma entrevista individual com um clínico e os resultados dos exames foram depois avaliados por médicos de medicina desportiva, um internista, um cardiologista e um ortopedista.

Desbloqueado o 127.º curso, mantêm-se suspensas as próximas formações de comandos enquanto decorrem os inquéritos da Polícia Judiciária Militar e do Ministério Público (DIAP de Lisboa).

  • Mortes nos Comandos levam generais a acusar anterior Governo

    Os generais do Exército Carlos Branco e Formeiro Monteiro criticam abertamente o anterior Governo por ter “desconstruído” o Hospital das Forças Armadas. E dizem que os graves incidentes no 127.º curso dos Comandos, que resultaram em dois mortos e quatro hospitalizações, demonstram que este hospital não tem hoje capacidade para tratar os feridos graves