Siga-nos

Perfil

Expresso

Sociedade

Cinco colégios contestam em tribunal incumprimento dos contratos de associação

  • 333

FOTO MARCOS BORGA

Diretor-executivo da Associação de Estabelecimentos de Ensino Particular e Cooperativo diz que as restantes providências cautelares, de um total de 20, devem entrar nos tribunais administrativos e fiscais da área dos colégios com turmas que não estão a ser financiadas pelo Estado até ao final desta semana

Cinco colégios que perderam turmas financiadas pelo Estado já entregaram providências cautelares, alegando o "rompimento dos contratos" de financiamento plurianual, uma segunda fase de contestação judicial na guerra contra o Ministério da Educação (ME), pelos cortes decididos.

De acordo com o diretor-executivo da Associação de Estabelecimentos de Ensino Particular e Cooperativo (AEEP) Rodrigo Queiroz e Melo, as restantes providências cautelares, de um total de 20, devem entrar nos tribunais administrativos e fiscais da área dos colégios com turmas que não estão a ser financiadas pelo Estado até ao final desta semana. "A previsão é de que entrem agora", diz.

A decisão do Governo de rever o número de turmas com financiamento estatal em colégios privados – por defender que há capacidade instalada na rede pública para acolher parte das turmas financiadas – motivou uma guerra jurídica entre colégios privados e Ministério da Educação.

Inicialmente, os colégios começaram por contestar, com a interposição de providências cautelares, o despacho de matrículas e frequência escolar assinado este ano pela secretária de Estado Adjunta e da Educação Alexandra Leitão.

O diploma veio trazer alterações e limites geográficos à matrícula de alunos pelos colégios, circunscrevendo a origem dos alunos à freguesia de implantação dos estabelecimentos.

Nas decisões já conhecidas, há tribunais a decidir a favor da tutela e outras a favor dos colégios.

Nesta segunda fase de contestação judicial, os colégios querem contestar aquilo que dizem ser o incumprimento dos contratos de financiamento plurianual, para três anos, assinados ainda no mandato do ex-ministro da Educação Nuno Crato, e que, segundo a interpretação dos privados, preveem financiamento até 2017-2018 para turmas em continuidade de ciclo e abertura de turmas de início de ciclo.

O Ministério da Educação alega, desde o início, que os contratos conferem legitimidade à tutela para rever, em cada ano letivo, o número de turmas em início de ciclo que abrem nos colégios com financiamento do Estado.

Com base nesta interpretação dos contratos, e na reavaliação da rede escolar realizada, a tutela decidiu que, em 2016-2017, apenas vão abrir 273 turmas de início de ciclo com contrato de associação, menos 57% do que as 656 turmas que abriram em 2015-2016, o que representa um financiamento máximo de 21.976.500 euros (80.500 euros por turma).

Em 2015-2016, os encargos do Estado com financiamento de turmas com contratos de associação em início de ciclo foram de quase 53 milhões de euros, de acordo com os números do ME.

  • Criado a 30 de abril de 1985, o Instituto de São Tiago era exclusivamente financiado pelos contratos de associação. “Estávamos mais ou menos à espera do encerramento do instituto. Podiam era ter avisado com mais tempo. Isso é o que mais me incomoda”, diz a mãe de uma aluna

  • Centena e meia de alunos da Venda do Pinheiro ainda não sabem em que escola vão estudar este ano letivo. E a culpa é do Ministério da Educação e da revisão dos contratos de associação com os colégios privados, acusa o CDS. Ministério esclarece: "Não há alunos por colocar e a rede de Mafra está estabilizada"