Siga-nos

Perfil

Expresso

Sociedade

Já não há militares do curso dos Comandos nos cuidados intensivos

  • 333

Marcos Borga

Estado de saúde dos dois militares internados do 127º curso dos Comandos tem estado a melhorar nos últimos dias

Hugo Franco

Hugo Franco

Jornalista

Os dois formandos do 127º curso dos Comandos que estão internados têm revelado melhorias no estado de saúde. Segundo o Exército, o único militar que se encontrava na Unidade de Tratamentos Intensivos do Hospital das Forças Armadas foi transferido, na tarde desta segunda-feira, para o Serviço de Medicina.

Desta forma já não há qualquer formando nos cuidados intensivos já que o outro soldado também tinha sido transferido no último domingo para os Serviços de Medicina.

"Ambos os militares, agora internados no Serviço de Medicina, apresentam um estado clínico de melhoria analítica", salienta o Exército em comunicado.

Hugo Abreu e Dylan Araújo da Silva foram as duas vítimas mortais do curso, que se encontra parado de forma a serem realizadas novas avaliações médicas aos mais do 60 alunos.

Ambos os militares foram vítimas de um golpe de calor durante os treinos na tarde do dia 4 de setembro. Hugo Abreu, de 20 anos, sentiu-se indisposto ao minuto 10 do aquecimento do treino de tiro que decorria no campo de tiro de Alcochete e foi evacuado para a tenda de campanha, sob cuidados médicos. Seis horas depois morreu no campo.

Quanto a Dylan, também de 20 anos, sentiu-se mal cerca de uma hora depois de Hugo (num treino de técnica individual de combate) e foi transferido para a mesma tenda de campanha do Exército. Nessa noite de domingo, já depois do óbito do outro militar, foi transferido para o hospital do Barreiro e depois para o Curry Cabral, em Lisboa, vítima de uma falência hepática.

Durante a semana, o estado de saúde do jovem de Ponte de Lima foi-se agravando e no último sábado de manhã acabou por morrer no Curry Cabral.

Esta segunda-feira realizaram-se as cerimónias fúnebres de Dylan em Ponte de Lima.

As duas mortes estão a ser investigadas pela Polícia Judiciária Militar e pelo Departamento de Investigação e Ação Penal (DIAP) de Lisboa.

  • Mortes nos Comandos levam generais a acusar anterior Governo

    Os generais do Exército Carlos Branco e Formeiro Monteiro criticam abertamente o anterior Governo por ter “desconstruído” o Hospital das Forças Armadas. E dizem que os graves incidentes no 127.º curso dos Comandos, que resultaram em dois mortos e quatro hospitalizações, demonstram que este hospital não tem hoje capacidade para tratar os feridos graves