Siga-nos

Perfil

Expresso

Sociedade

Algarve: comandante prevê noite muito dura para os bombeiros

  • 333

FILIPE FARINHA

Comandante Vaz Pinto esclarece que "o fogo lavra em três frentes, uma das quais dominada e duas ativas, a sul e oeste"

O comandante distrital de operações de socorro de Faro, Vítor Vaz Pinto, perspetivou que "a noite desta quinta-feira não será amiga dos bombeiros" no combate ao incêndio florestal em Portimão e Monchique, devido sobretudo ao vento forte.

"O vento vai manter-se, as condições meteorológicas não nos vão facilitar muito a vida", disse à Lusa. Num ponto de situação feito pouco depois das 18h aos jornalistas, o responsável referiu que o incêndio - que deflagrou no sábado em Monchique e foi dado como extinto no domingo, mas teve um reacendimento na quarta-feira e chegou ao município de Portimão - continua a lavrar com "muita intensidade".

Segundo Vítor Vaz Pinto, o vento dificultou o trabalho dos meios aéreos que foram mobilizados para o local, uma zona com muito edificado disperso pela serra algarvia. Ainda assim, não havia até àquela hora registo de primeiras habitações destruídas.

"A eficiência dos meios aéreos com este vento não foi a que costumamos ter nem a que pretendíamos, porque foi reduzida. Contudo, criaram-se janelas de oportunidade para que os meios terrestres pudessem progredir", indicou.

"É estranho que um incêndio que estava consolidado se tivesse reacendido de forma tão fulminante, mas caberá às autoridades investigarem", respondeu, quando questionado sobre a origem do fogo.

Vítor Vaz Pinto referiu que o fogo teve projeções a sul e a oeste muito complicadas de resolver e explicou que foi necessário reposicionar os meios. "Nunca foi possível colocar os meios à frente do incêndio, tivemos de andar sempre atrás".

"O incêndio desenvolveu-se numa zona de grande declive e muito rochosa, o que dificultou o trabalho das 13 máquinas de rasto, que nem sempre puderam operar".

Para o combate estavam mobilizados, cerca das 19h30, mais de 600 operacionais, cerca de 200 viaturas e dez meios aéreos, segundo a página da Proteção Civil na Internet.

A presidente da Câmara de Portimão, Isilda Gomes, indicou que a maioria das pessoas que tiveram de abandonar as suas casas por prevenção está com familiares. "Só temos quatro pessoas no posto de acolhimento, maioritariamente situações de mobilidade reduzida", apontou, sublinhando que o município está preparado para acolher outros moradores que necessitem.

Três povoações do concelho de Portimão - Carriçal, Moinho da Rocha e Tabual - e o hotel Pestana junto ao Autódromo Internacional do Algarve tiveram de ser evacuados por precaução, face à intensidade do fumo, segundo o Comando Distrital de Operações de Socorro (CDOS) de Faro.

De acordo com o CDOS, foram retiradas 28 pessoas das três localidades, mas não era conhecido o número de hóspedes e funcionários deslocados do hotel.

Isilda Gomes indicou que os hóspedes foram levados para outra unidade do grupo Pestana no concelho.