Siga-nos

Perfil

Expresso

Sociedade

Motorista da Uber acusa taxista de agressão com estrume

  • 333

Motorista já apresentou queixa na PSP e partilhou fotos e a sua versão dos factos no Facebook. Terá de ir ao Instituto de Medicina Legal para ser submetida a uma peritagem

Carlos Abreu

Imagem cedida por Patrícia Guimarães onde é possível ver os efeitos da agressão com “estrume líquido”

Imagem cedida por Patrícia Guimarães onde é possível ver os efeitos da agressão com “estrume líquido”

DR

É mais um episódio na guerra entre motoristas da Uber e taxistas. Patrícia Madureira Guimarães acusa um taxista de a agredir com “estrume líquido esta quinta-feira de tarde, no Porto, a algumas centenas de metros da estação de caminho de ferro de Campanhã. Já apresentou queixa na PSP - que o Expresso confirmou - e relatou a sua versão dos factos no Facebook, onde apela a que este “triste, inqualificável e degradante episódio” seja partilhado “o mais possível”.

Antiga jornalista e assessora de comunicação, Patrícia Guimarães, de 42 anos, é atualmente chofer de uma empresa especializada no transporte de passageiros, com “alvará de turismo”, a Chauffeur, que estabeleceu um acordo com a Uber. Ao Expresso, conta que sempre que o serviço tem como ponto de partida a estação de Campanhã pede aos clientes, por indicação do patrão, para se deslocarem para algum dos arruamentos próximos, para evitar evetuais agressões por parte dos taxistas.

E esta quinta-feira à tarde assim fez. Tinha de transportar três turistas carregados de mochilas de visita ao Porto e, quando parou “na Rua da Estação, frente a uma esplanada” para apanhar os três estrangeiros, “um taxista apeado chegou junto de mim, primeiro do que eles, e ameaçou: ‘Não vais fazer esta corrida’”.

Conta Patrícia no Facebook: “Assustada, arranquei de imediato e subi a rua Pinto Bessa, enquanto ele falava com os estrangeiros com ar ameaçador. Eles pegaram nas mochilas e começaram a subir a rua em minha direção, acenando para eu parar, com ar completamente atónito. Parei e o taxista, para mim um perfeito animal, continuava atrás deles sempre a falar. Chegou à minha janela e atirou para dentro do carro um frasco de bosta, desculpem o termo mas era literalmente merda, que hoje [sexta-feira] só consigo compreender não ser humana”.

DR

“Já tomei mais de dez banhos”

“Nunca pensei que na presença dos clientes ele fosse capaz de fazer o que fez”, relata ao Expresso a motorista da Uber. Conta ainda que o agressor fugiu de imediato tendo um dos estrangeiros perseguido o homem, sem que tenha conseguido detê-lo. Patrícia Guimarães chamou a PSP, com quem deu uma volta pelas imediações, no carro patrulha, a fim de localizá-lo. Mas nada. Pela forma como o agressor falou com ela, está convencida de que se trata de um taxista.

A meio da manhã desta sexta-feira, apresentou queixa contra desconhecidos, juntamente com o seu patrão – “passei lá três horas” -, e pelos danos sofridos está determinada a levar o caso até às últimas instâncias. Para já, por indicação da PSP, terá de ir ao Instituto de Medicina Legal para ser submetida a uma peritagem.

“Já tomei mais de dez banhos com diferentes aromas de gel de banho, usei esfoliante no corpo todo, esfreguei todo o corpo e cabelo com borra de café e vinagre. O cheiro do meu corpo e cabelo é nauseabundo. Estou no cabeleireiro, acabei de rapar o cabelo a pente 1 e o cheiro parece que aumenta. Estou com tinta a ver se o odor amoniacal da tinta abafa o cheiro a estrume”, conta no Facebook.

“Desde que trabalho na Chauffeur, embora os carros sejam descaracterizados, os taxistas conhecem todas as matrículas”, garante Patrícia Guimarães. A do Nissan Lift elétrico, da frota da Uber, que conduzia na tarde de quinta-feira, não deverá voltar a ser vista pelos taxistas tão cedo. “O meu patrão já levou o carro à Nissan e eles disseram que o carro teria de ser todo desmontado para poder ser limpo e que, muito provavelmente, não seria possível remover o cheio nauseabundo”.

PSP confirma queixa

A PSP do Porto confirmou ao Expresso a apresentação da queixa, a primeira do género (com estrume), numa altura em que o número de participações relativas a alegadas agressões entre motoristas da Uber e taxistas regista uma quebra.

“Não consegui dormir e não consigo conter as lágrimas. Não tenho memória, mesmo durante mais de 20 anos de jornalista, de tal ato desumano, humilhante, decadente. Nem sei como o qualifique. Nem a um animal selvagem e mau isto se faz! O cheiro está impregnado na minha pele, nos meus óculos, no meu telefone, no meu relógio, nas sandálias, vestido, colar, sei lá...”, escreve no Facebook.

“Só apelo a uma coisa: partilhem. Alguém, alguma autoridade competente, alguma força judicial, policial ou governamental tem de fazer algo. Ontem fui eu quem levou com merda e um carro novo seguiu para a sucata. Esperamos o quê? Que morra alguém?”, pergunta a chofer da Uber.