Siga-nos

Perfil

Expresso

Sociedade

Bastonária dos Advogados congratula-se com “pacto” na justiça defendido pelo PR

  • 333

A bastonária da Ordem dos Advogados, Elina Fraga (à direita), acompanhada por Marcelo Rebelo de Sousa,pelo presidente do Supremo Tribunal de Justiça, António Silva Gaspar e pela Procuradora-Geral da República, Joana Marques Vidal

Tiago Miranda

Elina Fraga referiu que a ideia lançada por Marcelo Rebelo de Sousa corrobora aquilo que ela têm dito ao longo dos anos: têm de ser os juízes, os procuradores e os advogados os “motores de uma verdadeira reforma da justiça”

A bastonária da Ordem dos Advogados (AO) congratulou-se esta quinta-feira que o Presidente da República (PR) tenha desafiado os diversos agentes judiciários a alcançarem um "pacto" na justiça.

"Falta fazer o pacto de que falou o PR", disse Elina Fraga no final da cerimónia de abertura do ano judicial, na qual Marcelo Rebelo de Sousa falou na necessidade de os parceiros judiciários fazerem um "pacto".

A bastonária referiu que a ideia lançada pelo PR veio "corroborar" aquilo que ela têm vindo a dizer ao longo dos anos de que têm de ser os juízes, os procuradores e os advogados os "motores de uma verdadeira reforma da justiça".

"Foi esta a grande mensagem que nos deixou aqui o Presidente da República", salientou Elina Fraga, referindo que os políticos, o Governo e a Assembleia da República deviam "inspirar-se" nos contributos resultantes desse pacto dos profissionais da justiça.

Segundo a bastonária, através de "reuniões parcelares", do diálogo e de toda uma dialética, os agentes do sistema judiciário devem dar contributos para possa "renascer um novo sentimento de justiça" nos cidadãos.

Quanto à perceção negativa que os cidadãos têm da justiça, Elina Fraga contrapôs que "a justiça não está tão mal como aparece muitas vezes na comunicação social, mas também não está tão bem como os políticos a querem colocar".

"É algures no meio que está a verdade", assinalou, dizendo ser preciso, agora, passar de um "cultura de diálogo" para uma "cultura de ação" para que a justiça possa ser melhorada em Portugal.