Siga-nos

Perfil

Expresso

Sociedade

Google desenvolve algoritmo para tratar doentes com cancro

  • 333

Projecto de investigação pretende localizar de forma bem mais rápida e rigorosa células cancerígenas em tumores do cérebro e do pescoço

A DeepMind, braço armado da Google para a investigação científica, acaba de anunciar o estabelecimento de uma parceria com o University College London Hospital que visa o desenvolvimento de ferramentas, recorrendo a inteligência artificial, que detetem automaticamente células cancerígenas em imagens radiológicas de tumores do cérebro e do pescoço.

Atualmente, os radiologistas utilizam processos manuais, conhecidos como ‘segmentação de imagem’, para criar um mapa anatómico do doente com indicações precisas sobre os pontos para os quais deverá ser direcionada a radicação. Para evitar atingir células saudáveis da cabeça e do pescoço, esse mapa tem de ser extraordinariamente detalhado, o que leva cerca de quatro horas a criar. Os investigadores da Google acreditam que com o recurso à inteligência artificial conseguem reduzir esse trabalho para apenas uma hora.

Desde de que foi criada em 2010, em Londres, que a DeepMind, comprada pela Google em 2014, trabalha sobretudo em ‘deep learning’, uma forma de inteligência artificial capaz de identificar padrões em grandes volumes de dados.

No âmbito da parceria agora anunciada, os investigadores terão acesso a imagens radiológicas anónimas de mais de 700 antigos doentes do University College London Hospital, as quais serão submetidas a algoritmos que tratarão de distinguir entre células saudáveis e cancerígenas.

Recorrendo a estas imagens, a DeepMind considera que poderá aperfeiçoar os algoritmos que vem desenvolvendo há vários anos de uma forma bem mais rápida do que se continuasse a usar apenas aquelas que já estão no domínio público.

Numa nota enviada ao jornal “The Guardian” a administração deste hospital universitário da capital britânica garante que os médicos continuarão a controlar os processos de diagnóstico e tratamento e que não pretendem delegá-los em algoritmos.