Siga-nos

Perfil

Expresso

Sociedade

Maçonaria com app e adesão online

  • 333

Tiago Miranda

A recém-criada Grande Loja Unida de Portugal vai ter uma aplicação que localiza “irmãos” nas redondezas

Hugo Franco

Hugo Franco

Jornalista

A tensão interna sentida nos últimos meses no seio da Grande Loja Legal de Portugal (GLLP), um dos dois maiores ramos da maçonaria, levou à saída de Paulo Cardoso, um venerável que tinha sido suspenso pelo atual grão-mestre, Júlio Meirinhos. Pouco depois de bater com a porta da GLLP, onde foi membro durante mais de 20 anos, o economista que se intitula “independente com alma e carinho social democrata” ajudou a fundar aquela que designa como “a terceira loja de maçonaria” do país.

Chama-se Grande Loja Unida de Portugal (GLUP) e nasceu este verão, depois de umas eleições disputadas por um moderno processo eletrónico — “as primeiras deste género na história da maçonaria” — que elegeram Paulo Cardoso, de 45 anos, como grão-mestre. “Queremos a refundação da maçonaria regular. Uma maçonaria que preze a ética, a verdade, a justiça e se aproxime da sociedade.” A frase é quase um manifesto. Mas já lá vamos. Primeiro, os espinhos.

Paulo Cardoso evita falar sobre o passado recente, mas sem as convulsões na Grande Loja Legal de Portugal não estaria hoje a liderar uma loja rival. Na base da discórdia com Júlio Meirinhos, de quem chegou a ser aliado, terá estado a votação de um decreto interno e a presença num “jantar branco” com “profanos” (pessoas externas à maçonaria) onde Cardoso é acusado de não ter cumprimentado o grão-mestre.

A tensão ter-se-á estendido a outros três veneráveis de três lojas (a Portugalis, a Niny Sequeira e a Marechal Teixeira Rebelo) que praticavam aquilo que os maçons designam como rito português. No ano passado, o grão-mestre decidiu proibir este rito (que faz alusão aos feitos dos portugueses ao longo da história), o que não caiu bem entre estes membros que escreveram uma carta contra a posição de Meirinhos. Foram todos alvo de processos disciplinares e de suspensão.

É este tipo de “intriga palaciana” que Paulo Cardoso quer evitar nesta loja. Promete, por isso, uma maior transparência e não dar tréguas aos que usarem a maçonaria apenas para satisfazerem os interesses pessoais. “Não pode haver um só irmão com um comportamento menos correto cá dentro. Temos de dar o exemplo”, argumenta. Para combater “essas lógicas de poder” promete que o processo de seleção será “longo e rigoroso”. E conclui: “Não temos pressa em crescer.” Ainda assim, vai abrir um portal na internet onde qualquer pessoa pode contactar a loja e revelar o seu interesse em aderir.

“Interesses políticos obscuros” ficam à porta. Para dar o exemplo, fala sem complexos do passado na vereação da Câmara da Guarda, quando ainda tinha 18 anos. “Acabei por me afastar do PSD depois do congresso no Coliseu dos Recreios [em 1996], disputado entre Durão Barroso e Fernando Nogueira.” Hoje dedica-se à consultoria e a programas de investimento.
Sobre os casos polémicos no interior das grandes lojas maçónicas que acabaram nas páginas dos jornais, o grão-mestre prefere relativizá-los — “são a exceção e não a regra” —, mas assume os erros de comunicação da maçonaria que só vieram ampliar o tom negativo dos casos. Daí que não se canse de falar de transparência. “A maçonaria é uma escola de aperfeiçoamento pessoal, mas o que muitas vezes passa para fora é a imagem de uma organização onde só interessa o poder e o negócio.”

Aventais e tablets

A GLUP, que conta com “centenas de membros em todo o país”, quer continuar a celebrar as tradições (a maçonaria regular comemora 300 anos em 2017) em sessões onde não faltam os aventais, o fato e a gravata preta. Mas quer ir mais longe e ser uma espécie de maçonaria 3.0. Uma aplicação para smartphones e tablets, onde se pode ficar a saber o horário e local das sessões, é só uma das novidades. Mais ambiciosa é uma outra aplicação de georreferenciação, copiada de congéneres dos EUA e Grã-Bretanha, onde através do telemóvel será possível a cada membro saber se tem “um irmão” nas proximidades. O objetivo não é o controlo pessoal mas facilitar a entreajuda em caso de necessidade. “No momento em que alguém entra nesta loja sabe que não estará sozinho no mundo”, explica Cardoso.

O rito que causou discórdia na GLLP foi recebido nesta loja de braços abertos. “Temos mais ritos como o escocês ou o york, mas o português tem para nós um carinho especial.” Paulo Cardoso não se cansa de tocar na tecla da “portugalidade” e no “orgulho em ser português”. Vão organizar em breve um “plano nacional de história”, em que vários historiadores explicam o passado aos mais jovens. Os fundos gerados pela iniciativa, garante Cardoso, vão ser doados ao Presidente da República.

Texto publicado na edição do Expresso de 27 de agosto de 2016