Siga-nos

Perfil

Expresso

Sociedade

Guardas florestais manifestam-se a 8 de setembro

  • 333

Federação anunciou a realização de uma manifestação nacional, no dia 8 de setembro, em Lisboa, contra a extinção da carreira e a “inflexibilidade manifestada pelo Governo”

Os guardas florestais vão realizar uma manifestação nacional no dia 8 de setembro, em Lisboa, contra a extinção da carreira e a "inflexibilidade manifestada pelo Governo", anunciou a federação representativa do sector.

A Federação Nacional dos Sindicatos dos Trabalhadores em Funções Públicas disse esta terça-feira, em conferência de imprensa, que vai ser emitido um pré-aviso de greve de 24 horas para o dia 8 de setembro, de modo a permitir a participação dos guardas florestais na manifestação que irá começar com uma concentração no Largo do Carmo, em Lisboa, seguindo depois para o Terreiro do Paço.

Os guardas florestais do Serviço de Proteção da Natureza e do Ambiente (SEPNA), da GNR, contestam a extinção da carreira e reclamam a atribuição de suplementos remuneratórios relacionados com as condições específicas do seu trabalho.

Por não concordar com "a posição inflexível do Governo", a federação decidiu avançar com uma greve de 24 horas que terá como ponto máximo uma manifestação nacional dos guardas florestais junto do quartel-general da GNR e um desfile até ao Ministério da Administração Interna onde irá "demonstrar a insatisfação destes profissionais com estas decisões que não são em consonância com o que tem sido o discurso de defesa das florestas", disse aos jornalistas Luís Pesca, da federação.

"Está na mão do Governo refletir e voltar a ativar o corpo nacional dos guardas florestais" para responder à necessidade de ter um policiamento eficaz das florestas, assim como regressar às negociações com os sindicatos, e "corrigir um erro de António Costa que, com o seu primeiro-ministro da altura, José Sócrates," extinguiu várias profissões na Administração Pública, como esta, salientou o sindicalista.

Apesar de, nos últimos dias - apontou Luís Pesca -, a propósito dos incêndios florestais, o primeiro-ministro e outros membros do Governo terem falado na necessidade de investir mais na defesa da floresta e na investigação dos incêndios florestais, "a primeira decisão que tomam é de insistir num erro concretizado em 2006, era ministro da Administração Interna António Costa, de extinguir a carreira de guarda-florestal", profissionais que "são peça indispensável para a defesa da floresta" e na prevenção dos fogos.

Segundo Luís Pesca, em relação à carreira de guarda-florestal, "o secretário de Estado [da Administração Interna] disse que está extinta, ponto final, sem entender" a necessidade de reativar a carreira e contratar novos efetivos.

O sindicalista lembrou que estes profissionais têm disponibilidade imediata, enfrentam riscos, fiscalizam a caça e pesca, andam armados e não têm qualquer tipo de suplemento como outras forças de segurança, que também fazem investigação criminal.

"O que o secretário de Estado nos disse é que os civis, neste caso o corpo de guardas-florestais, não são militares e não podem beneficiar de suplementos da GNR, mas o que a Federação pretende é negociar um conjunto de suplementos próprios, o que foi recusado", explicou Luís Pesca.

Atualmente existem 317 guardas florestais, menos 31% do que há dez anos, segundo dados da Federação, que considera este número insuficiente.