Siga-nos

Perfil

Expresso

Sociedade

Filhos do embaixador do Iraque: “Perdemos completamente” o controlo

  • 333

Haider e Ridha, 17 anos, em entrevista exclusiva à SIC, contaram a sua versão da história. Dizem que foram interrogados pelos inspetores portugueses “horas e horas” e que facilitaram o acesso ao apartamento, onde a polícia recolheu roupas. “Senti me extremamente insultado, corri atrás dele e bati-lhe” admitiu Ridha

Expresso (Texto), SIC (Vídeos)

Haider e Ridha, 17 anos, admitem que “perderam completamente” o controlo e que agrediram Rúben Cavaco, 15 anos, na madrugada da passada quarta-feira. Em entrevista à SIC, os filhos do embaixador do Iraque asseguram que colaboraram com as autoridades portuguesas e contaram a sua versão dos factos.

“Fomos submetidos a horas e horas de interrogatório. Foram ao nosso apartamento”, referiu Haider. “Nunca tivemos a intenção de ferir alguém daquela forma. Sentimos que somos iguais a todos aqui. Não sentimos que estamos a cima da lei só porque somos filhos de diplomata”, acrescentou Ridha.

Ambos garantiram que estão “absolutamente” preparados para assumirem a responsabilidade dos seus atos, mas questionam porque “nada aconteceu” ao grupo de amigos que estava com Rúben na noite dos acontecimentos: “Pergunto se estas seis pessoas estão a cima da lei?”.

Segundo os dois irmãos, na noite de 17 agosto, foram ao bar onde também estava Rúben Cavaco e mais cinco amigos rapazes. Haider mostrou as duas tatuagens que tinha nos braços a uns colegas da escola de aviação e baixou as calças para mostrar outra que tem na coxa. Foi aí que terá começado a troca de palavras.

“Tomei a decisão de sair do bar com o meu irmão”, afirmou Haider.

Terá sido junto ao carro que Ridha foi agredido pelo grupo, em que Rúben também estava. “Não podia fazer grande coisa porque estávamos em minoria. Tenho o nariz e o pé fraturado”, contou. Os gémeos contam que o grupo fugiu e quando regressaram ao local, poucos minutos depois, encontraram a GNR e relataram o que acabara de acontecer.

“O meu irmão estava sobre influência de álcool. Eu tinha 0,58”, admitiu Haider. Os dois foram levados para casa pela GNR. Depois de já estarem em casa, perceberam que lhes faltavam alguns objetos que caíram durante o confronto. Os filhos do embaixador do Iraque voltaram ao local e foi aí que se encontraram com Rúben.

Haider e Ridha dizem que terá sido o jovem português que começou a falar com eles. “Saí do carro para ver o que ele queria. Disse qualquer coisa em português que não percebi, acertou-me na cara e no ombro. Senti-me extremamente insultado, corri atrás dele e bati-lhe”, descreveu Ridha, que só parou de espancar Rúben quando o irmão lhe pediu para parar.

“Não direi que ele [Rúben] é má pessoa, porque não o conheço. Mas diria que foi influenciado pelo grupo com que estava”, defendeu Haider.

Questionados sobre a razão que os fez aceitar dar a entrevista, os irmãos asseguraram que não se trata de uma justificação, “porque a violência não tem justificação”. “É uma clarificação que devemos aos portugueses e à família do Rúben”.

Haider e Ridha nasceram nos Estados Unidos da América, mas têm nacionalidade iraquiana. Vivem há um ano em Portugal. Haider estava em Ponte de Sor a fazer um curso de piloto e Ridha estava apenas de visita.