Siga-nos

Perfil

Expresso

Sociedade

Vamos falar de biquínis?

  • 333

O biquíni fez este verão 70 anos. Histórias de como nasceu a peça que se tornou um ícone, sinónimo de liberdade e emancipação

Brigitte Bardot, no Festival de Cannes, em 1952, quando ninguém se atrevia a usar biquíni. As imagens correram mundo e iniciaram o culto BB

Brigitte Bardot, no Festival de Cannes, em 1952, quando ninguém se atrevia a usar biquíni. As imagens correram mundo e iniciaram o culto BB

getty images

Agosto é a silly season, dizem. O melhor é aproveitar a onda e passear na praia. A Ocidente nada de novo. Corpos na areia, lagartas ao sol, cada um está como lhe apetece. Como é óbvio, nem sempre foi assim. Muita água teve de correr entre as braçadas cálidas das raparigas do Havai — que apareciam aos magotes mais leves do que sereias, para receber os marinheiros em paraísos technicolor — e as coreografias em piscinas olímpicas orquestradas por Esther Williams, a prodigiosa atriz nadadora que fazia suspender a respiração nas plateias de machos, ao atravessar em maillot cor-de-rosa choque a tela azul, para emergir à tona da água de flor no cabelo e pespegar um beijo no assarapantado Red Skelton. O filme chamava-se “Bathing Beauty”, traduzido por cá como “A Escola de Sereias”. Marcou as estreias nas salas de cinema desse longínquo verão de 1944, precisamente dois anos antes de o primeiro umbigo ser exibido publicamente. Foi um gesto de grande ousadia, como sempre acontece quando a moda dita as regras e altera comportamentos e mentalidades.

A história começa assim. Em 1946, um engenheiro de automóveis chamado Louis Réard — um senhor francês de ar sério, camisola de gola alta e óculos de massa grossa “à Le Corbusier” — herda a fábrica de família, dedicada à confeção de lingerie, e resolve lançar uma linha de roupa para a época balnear. Depois de trabalhados uns quantos fatos de banho, agarra nas sobras, anula o tecido que cobre a barriga e, do mesmo padrão, faz duas peças. Consta que Réard se terá inspirado nas banhistas feministas de St. Tropez, que se enrolavam em duas partes dos seus incómodos maillots para conseguir bronzear a barriga.

ETERNA BOND GIRL. Assinalando os 40 anos do primeiro 007, “Dr. No”, realizou-se “Die Another Day” (“Um Novo Dia para Morrer”). Desta vez foi Halle Barry quem protagonizou a famosa caçadora de conchas a emergir do Mar do Caribe de faca no biquíni, um ano depois de ter sido a primeira mulher negra a receber o Óscar de Melhor Atriz

ETERNA BOND GIRL. Assinalando os 40 anos do primeiro 007, “Dr. No”, realizou-se “Die Another Day” (“Um Novo Dia para Morrer”). Desta vez foi Halle Barry quem protagonizou a famosa caçadora de conchas a emergir do Mar do Caribe de faca no biquíni, um ano depois de ter sido a primeira mulher negra a receber o Óscar de Melhor Atriz

foto Moviestore/REX/Shutterstock

Motivado pelas notícias que enchiam os jornais da época sobre o atol do Pacífico Sul que estava a ser preparado pelos EUA para os primeiros testes nucleares, Réard apoderou-se do nome, Bikini, prevendo o efeito bombástico da sua criação. Monta uma gigantesca operação de publicidade, tratando logo de apresentar a reduzida novidade num desfile de moda que decorria na popularíssima piscina Molitor de Paris. Esse primeiro modelo, bastante tosco por sinal, foi exibido por uma stripper do casino, Micheline Bernardini, a única mulher que aceitou desfilar de barriga ao léu perante as máquinas dos abismados fotógrafos. As imagens correram mundo, indignando a sociedade de então, e o biquíni teve direito a condenação pública da Igreja, proibindo-se a comercialização da escandalosa peça em vários países da Europa.

O PRIMEIRO BIQUÍNI. Em 1946, Micheline Bernardini, na altura no Casino de Paris, foi a única mulher que aceitou desfilar de umbigo à mostra no modelo concebido por Louis Réard, perante as máquinas dos abismados fotógrafos. Assim, entrou para a história da moda, aos 19 anos

O PRIMEIRO BIQUÍNI. Em 1946, Micheline Bernardini, na altura no Casino de Paris, foi a única mulher que aceitou desfilar de umbigo à mostra no modelo concebido por Louis Réard, perante as máquinas dos abismados fotógrafos. Assim, entrou para a história da moda, aos 19 anos

getty images

Mas o atilho foi pegando fogo. Alguns anos depois, umas poucas atrizes, motivadas por realizadores à procura de fama, começaram a encher os ecrãs das salas de cinema da Europa e dos Estados Unidos da América com barrigas ligeiramente destapadas, em imagens que se inscreveram na história e foram divulgadas em páginas de revistas internacionais. No final dos anos 40, por exemplo, as mais famosas pin-ups americanas imitavam o estilo de Marilyn Monroe, que não tinha a mínima vergonha em pousar encostada ao último modelo da Ford de biquíni branco (com cintura alta a tapar o umbigo, é certo) e de sandálias de salto a bailarem-lhe nos pés.

CAÇADORA DE TESOUROS. Angelina Jolie, em 2003, foi a célebre protagonista de “Tomb Raider”, o filme baseado numa série de videogames. Foi um dos maiores êxitos de bilheteira da história do cinema protagonizados por uma mulher, a inesquecível Lara Croft, que, armada até aos dentes, voltou a pôr na moda um eterno clássico: o básico preto largo nas ancas e atado no pescoço

CAÇADORA DE TESOUROS. Angelina Jolie, em 2003, foi a célebre protagonista de “Tomb Raider”, o filme baseado numa série de videogames. Foi um dos maiores êxitos de bilheteira da história do cinema protagonizados por uma mulher, a inesquecível Lara Croft, que, armada até aos dentes, voltou a pôr na moda um eterno clássico: o básico preto largo nas ancas e atado no pescoço

A bomba só estourou realmente em 1953, quando Brigitte Bardot irrompeu nas areias douradas num minúsculo biquíni branco de flores estampadas e em poses lânguidas, mesmo em frente ao famoso Hotel Carlton, onde decorria o festival de Cinema de Cannes. O impacto Bardot foi de tal ordem que, três anos depois, era ela a protagonista de Roger Vadim em “E Deus Criou a Mulher”, dando origem ao culto BB — que se permitia fotografar em todas as formas e feitios, transformando o biquíni numa peça de moda extraordinariamente icónica.

NAS PRAIAS DE IPANEMA. Hoje é uma das peças mais iconográficas da cultura brasileira, mas só na década de 60, quando Helô Pinheiro, a famosa garota de Ipanema mostrou a barriga no Calçadão, os biquínis invadiram as praias do Rio de Janeiro. Na foto, é Gisele Bündchen, em 2006, a modelo “namoradinha” do Brasil, em pose descontraída

NAS PRAIAS DE IPANEMA. Hoje é uma das peças mais iconográficas da cultura brasileira, mas só na década de 60, quando Helô Pinheiro, a famosa garota de Ipanema mostrou a barriga no Calçadão, os biquínis invadiram as praias do Rio de Janeiro. Na foto, é Gisele Bündchen, em 2006, a modelo “namoradinha” do Brasil, em pose descontraída

getty images

Quando outra musa do cinema (na altura uma perigosa caçadora de conchas) emergiu do Mar do Caribe, de biquíni branco e faca de mergulho na cintura, deu-se uma verdadeira revolução. Era Ursula Andress. A aparição foi em “Dr. No”, o primeiro James Bond da saga 007, eternizando-a como a mais inesquecível das Bond girls. Símbolos sexys à parte, os dados estavam lançados. Anos mais tarde, Ursula dirá: “Devo a minha carreira àquele biquíni. Graças a ele transformei-me num sucesso e, dali em diante, pude escolher todos os meus filmes e tornar-me independente financeiramente.” Desde o início da década de 60 — quando começaram a invadir as praias, revelando os umbigos num sinal inequívoco de emancipação feminina — que os biquínis não mais desapareceriam. O mundo percebeu que eram as mulheres a mandar no seu corpo.

Artigo publicado na edição do EXPRESSO de 13 agosto 2016