Siga-nos

Perfil

Expresso

Sociedade

Força Aérea “não possui meios aéreos” para missões de combate a incêndios

  • 333

Bombeiros durante o combate ao incêndio na freguesia do Freixo, em Marco de Canaveses, a 11 de agosto.

OCTÁVIO PASSOS/LUSA

Capacidade para realização destas missões poderá “vir a materializar-se faseadamente, num futuro próximo”

A Força Aérea esclareceu este domingo que “não possui meios aéreos que permitam a realização de missões de combate a incêndios", mas admitiu que a capacidade para realização destas missões poderá “vir a materializar-se faseadamente, num futuro próximo”.

"Não é igualmente praticável proceder a adaptações que possibilitem a qualquer das frotas em operação a execução desse tipo de missões", afirma em comunicado a Força Aérea, que refere que colocou à disposição da Autoridade Nacional de Proteção Civil "todos os meios e recursos disponíveis, no sentido de apoiar ativamente o combate ao flagelo dos incêndios".

Esta colaboração da Força Aérea concretizou-se através de várias operações, nomeadamente hoje, em que "empregará, adicionalmente, três meios aéreos": um C-130H e um C-295M, que trarão para o continente o dispositivo de pessoal e material transportado para a Madeira no passado dia 10, e ainda um voo adicional de um C-295M que sairá da Base Aérea N.º 4, nas Lajes, nos Açores, para ir buscar bombeiros e material dos Açores deslocados para a Madeira como reforço ao combate aos incêndios naquela ilha.

No sábado, em Castelo de Paiva, no concelho de Arouca, a ministra da Administração Interna mostrou abertura para a Força Aérea vir a ter capacidade para fazer o combate a incêndios.

Já na sexta-feira, o ministro da Defesa Nacional, Azeredo Lopes, afirmou na RTP que seria "inevitável que a Força Aérea venha a ter capacidade de combater fogos florestais", lembrando que, de momento, essa força não tem nem aviões nem helicópteros com capacidade para o fazer.

No comunicado hoje divulgado, a Força Aérea esclarece que a partir de 1982 "operou um sistema modular aplicável à frota C-130H Hércules, denominado MAFFS (Modular Airborne Fire-Fighting System), equipamento que permitia adaptar aquelas aeronaves à realização de missões de combate direto (largada de água) e indireto (largada de calda retardante) a incêndios". Todavia, devido à "reorganização de meios de combate a incêndios, sob a tutela da Autoridade Nacional de Proteção Civil, esse sistema foi descontinuado há cerca de 20 anos e, atualmente, é inexistente".

"A capacidade para realização de missões de combate direto a incêndios, que implica, naturalmente, a qualificação de tripulações e de pessoal de manutenção, para além da definição do respetivo conceito de operações, poderá, no entanto, vir a materializar-se faseadamente, num futuro próximo, no âmbito dos vários projetos de reequipamento em curso, designadamente, ao nível da substituição do C-130H Hércules e da renovação da frota de helicópteros ligeiros", adianta.

Para a ministra, "todo esse trabalho [de formação] deverá ser feito" e, com base no que declarou o ministro da Defesa, passará por "equipar alguns dos meios aéreos portugueses com equipamentos próprios para que possam atuar em caso de necessidade".

Em Castelo de Paiva, a ministra Constança Urbano de Sousa tinha já afirmado que, "neste momento, as Forças Armadas não têm qualquer tipo de capacidade para combater fogos".

"Os seus pilotos não sabem combater fogos porque pilotar um avião de combate a incêndios não é o mesmo que pilotar um C-130 ou um F-16, e eles precisam de ter formação", explicou na altura governante.

No mesmo comunicado, a Força Aérea lista ainda outras missões realizadas no âmbito do apoio ao combate às chamas, que lavraram em vários pontos do país.
Na tarde do passado dia 10, realizou um voo de C-130H entre Montijo-Funchal-Montijo, em que foram transportadas 5,2 toneladas de carga, tendo sido efetuadas 04:35 horas de voo.

No dia 11 realizou-se um voo de reconhecimento do teatro de operações da Calheta, na ilha da Madeira, feito por helicóptero EH-101 Merlin do Destacamento Aéreo da Madeira a partir de Porto Santo, segundo a mesma fonte.

Também no dia 11, a Força Aérea cedeu uma máquina de rasto e respetivos operadores, empregue no teatro de operações de Arouca, no nordeste do distrito de Aveiro.
Segundo o comunicado divulgado, a Força Aérea prestou "apoio logístico aos meios aéreos disponibilizados por parceiros internacionais", designadamente "dois Canadair marroquinos, um Canadair italiano, [e] dois Beriev da Federação Russa".

"Esse apoio logístico traduz-se no parqueamento e reabastecimento das aeronaves e sustentação das tripulações na Base Aérea n.º 5, em Monte Real [no distrito de Leiria] e também no reabastecimento alternativo às aeronaves, no Aeródromo de Manobra N.º 1, em Ovar [no distrito de Aveiro]", explica a Força Aérea.