Siga-nos

Perfil

Expresso

Sociedade

Os usos “sérios” do botox

  • 333

© Shannon Stapleton / Reuters

Se acha que o botox serve apenas para insuflar bocas e atenuar rugas, fique a conhecer utilizações nobres que se podem dar a esta substância

A palavra "botox" desperta em muita gente um esgar de repulsa, um risinho de desdém. Mas a verdade é que a toxina botulínica tipo A, descoberta há 30 anos por um casal de médicos canadianos – Alastair e Jean Carruthers –, tem cada vez mais utilizações na chamada "medicina de alta complexidade". Na estética, é um campeão de vendas: no Brasil, todos os anos 300 mil mulheres e homens recorrem a este produto para disfarçar as marcas da idade e no mundo são cinco milhões os que recorrem à toxina botulínica. Mas há cada vez mais áreas da medicina que usam o botox: cardiologia, neurologia, ortopedia, urologia e gastroenterologia são algumas delas.

Num ano, há cerca de 5 milhões de intervenções estéticas com recurso a botox

Num ano, há cerca de 5 milhões de intervenções estéticas com recurso a botox

© Jim Young / Reuters

Quando em 1986 o casal de médicos usou a toxina para controlar contrações involuntárias na pálpebra - e percebeu que esta também atenuava as rugas -, não sonhava que esta fosse apenas uma das utilizações possíveis. Recentemente, uma investigação publicada no jornal da Associação Americana do Coração, "Circulation: Arrhytmia and Electrophisiology", concluiu que o botox ajuda a prevenir a arritmia quando injetado em pequenas bolsas de gordura que se encontram em volta do coração, em casos de pós-cirurgia. O presidente do Colégio de Cardiologia em Portugal, Mariano Pego, explica que em Portugal este procedimento nunca foi utilizado. "É ainda muito experimental, tendo sido executado essencialmente nos EUA e na Rússia", afirma. "Nas operações de 'bypass' aorto-coronário, uma percentagem pequena de pacientes pode fazer fibrilhação ventricular. E injetando botox em bolsas de gordura à volta do coração, isso pode ser prevenido", explica. "Contudo, é ainda muito cedo para podermos usar isto como técnica fidedigna" – contrariamente a outras áreas médicas em que o botox já tem sucesso comprovado, como na urologia ou na gastroenterologia.

O tratamento da próstata é uma delas. A toxina botulínica é injetada nas terminações nervosas das fibras musculares da glândula, o que diminui o desacerto. Nos casos de hiperplasia benigna, quando a glândula tem tamanho aumentado e pode comprimir o canal urinário, o botox relaxa as fibras musculares. Também os casos de incontinência urinária podem beneficiar do uso do botox, aplicado na musculatura da bexiga.

O princípio de ação da toxina é simples e seguro. Uma vez injetado, liga-se às terminações pré-sinápticas do sistema nervoso central e impede a libertação da acetilcolina, o principal neurotransmissor responsável pela contração muscular. Ao bloquear a condução do estímulo neuromuscular, dá-se uma paralisia parcial e temporária do músculo.

Ampola de Botox, com a designação europeia de "Vistabel"

Ampola de Botox, com a designação europeia de "Vistabel"

Andreas Rentz

O botox também se mostra eficaz em matéria de enxaquecas. Em julho deste ano, a Academia Americana de Neurologia reconheceu o uso da toxina botulínica para diminuir a frequência das crises de enxaqueca, sobretudo para quem sofre de efeitos secundários com os medicamentos convencionais. Isto prende-se também com o facto de o botox ser capaz de bloquear a libertação de outros neurotransmissores, associados à origem da dor, diminuindo a sua frequência e intensidade. Essas substâncias ajudam à transmissão de informações entre neurónios, cooperando no funcionamento dos órgãos.

Uma outra investigação, levada a cabo pela Universidade do Texas Southewestern, em Austin, nos EUA, defende que o botox tem ainda efeitos antidepressivos quando injetado entre as sobrancelhas. As melhorias de humor registadas pelos clientes não teriam apenas que ver com a melhoria do seu aspeto, mas supõe-se que a injeção consiga ativar a região límbica do cérebro, responsável por emoções e comportamentos sociais.

Como vê, há muito mais mundo para o botox do que apenas o da cirurgia estética...