Siga-nos

Perfil

Expresso

Sociedade

Uma espécie de Airbnb - mas para comida

  • 333

MPREENDEDOR Paulo Castro, promotor da Portuguese Table, na apresentação do projeto na Escola de Turismo de Faro

FOTO MARCOS BORGA

A Portuguese Table, plataforma digital que visa proporcionar a turistas “experiências gastronómicas em casa de portugueses” é a primeira 'startup' a resultar do projeto de fábrica de ideias criativas lançado a alunos das escolas de hotelaria e turismo

A ideia é “permitir que os turistas vão a casa de portugueses, comer comida portuguesa, num ambiente português e ouvir histórias portuguesas”, resume Paulo Castro, promotor do Portuguese Table. Formalmente constituída em abril, a nova empresa assenta numa plataforma digital em que é possível fazer reservas para refeições em casa de portugueses, à semelhança das reservas para alojamentos em plataformas como a Airbnb. Já foi criada a plataforma www.portuguesetable.com, que neste momento funciona para angariar 'anfitriões' preparados para receber turistas em casa, prevendo-se que esteja acessível para reservas de refeições na segunda quinzena de agosto.

TURISMO À MESA Convidar turistas a comer em casa de portugueses com perfil de 'chef' é o objetivo da Portuguese Table

TURISMO À MESA Convidar turistas a comer em casa de portugueses com perfil de 'chef' é o objetivo da Portuguese Table

Os anfitriões devem ter perfil de chefe, leia-se gosto para cozinhar - e, requisito obrigatório, pratos portugueses - estando a plataforma também aberta a chefes profissionais que queiram cozinhar para turistas na sua própria casa.

Para os 'anfitriões', trata-se de “receber em casa, como se fosse um restaurante”, explica Paulo Castro, enfatizando que não se trata de estar “contra os restaurantes”, mas sim de “uma experiência diferente e que vai muito além da comida, envolve a receção muito calorosa em casa dos portugueses”.

“A culinária de facto está na moda, há imensa gente em Portugal a fazer cursos de cozinha. Mas para uma pessoa normal, abrir um restaurante é um risco brutal, pelo que esta plataforma permite-lhe assim testar as suas capacidades de chefe e ter os clientes em sua casa”, faz notar.
A “seleção de anfitriões” é uma das tónicas da Portuguese Table, que estabelece aqui algumas condições e vai ver 'in loco' as casas onde os turistas serão recebidos à mesa. “Neste momento estamos a criar um grupo de anfitriões, mas não aceitamos 'candidaturas virtuais' na nossa plataforma, temos de conhecer as pessoas”, garante Paulo Castro. “A casa não precisa de ser um palácio, mas de ter condições mínimas para receber pessoas, de ter um ambiente português. Verificamos previamente como serão apresentadas as refeições, se os copos são adequados para servir o vinho, coisas desse género”.

E, acima de tudo, a forma de cozinhar. “O suporte de tudo isto tem de ser a culinária e a cultura portuguesas. Se o anfitrião não tiver curso de cozinha, terá de fazer uma formação 'online' disponível no nosso 'site' e fazer um teste para demonstrar que aprendeu os requisitos básicos”.

Os menus de cada anfitrião serão divulgados no 'site' com os respetivos preços, e o objetivo é que, ao fazer a reserva, os turistas a paguem de imediato, apresentando-se na casa apenas para a experiência da refeição. “A plataforma não tem quaisquer custos para o anfitrião, que deve para este efeito estar coletado como profissional liberal”, salienta ainda o promotor da Portuguese Table.

Neste momento, a plataforma www.portuguesetable.com conta com 10 anfitriões, prevendo-se que se alarguem a 250 no período de dois anos. “A nossa ideia é fazer um controlo apertado destes eventos, para corrigir pequenos problemas que sempre surgem de início, e para que os próprios anfitriões possam ser evangelizadores de quão bom este negócio é”, sublinha Paulo Castro. As casas selecionadas para refeições a turistas estão nesta fase inicial disponíveis no Grande Porto (zona onde residem os sócios da Portuguese Table: Paulo Lopes e Jorge Azevedo, além de Paulo Castro) e o objetivo é chegar à Grande Lisboa já este ano e alargar o raio de ação ao resto do país em 2017.

ANTE-ESTREIA A Portuguese Table foi oficialmente lançada a 17 de junho na Escola de Hotelaria do Porto

ANTE-ESTREIA A Portuguese Table foi oficialmente lançada a 17 de junho na Escola de Hotelaria do Porto

“A Portuguese Table não vai ficar circunscrita às fronteiras de Portugal, a ideia é ir para fora, pois em todo lado há portugueses com gosto de cozinhar e receber bem em sua casa”, avança Paulo Castro, referindo que a internacionalização é uma meta definida para 2018, com prioridade para Brasil e Angola, “mas poderá começar antes, e até já tivemos propostas nesse sentido”.

A ideia da Portuguese Table surgiu há alguns anos, na sequência de um trabalho de pós-graduação de Paulo Castro em marketing digital. “Na altura vivia em Barcelona e conheci o conceito Supper Clubs, que adorei, não só pelo que se comia, mas pelo convívio à volta da mesa”, conta. “Logo na altura pensei que o povo português está de acordo com este espírito, porque realmente gosta de receber bem. Comecei a investigar e percebi que as coisas batiam certo: a hospitalidade e a gastronomia são das características mais valorizadas pelos turistas no 'top' do Turismo de Portugal, e também falei com muitas pessoas ligadas à economia colaborativa que deram 'inputs' positivos ao projeto”.

ACELERAR STARTUPS O presidente do Turismo de Portugal, Luis Araújo, com os empreendedores do programa Tourism Creative Factory

ACELERAR STARTUPS O presidente do Turismo de Portugal, Luis Araújo, com os empreendedores do programa Tourism Creative Factory

FOTO MARCOS BORGA

O 'clique' para dar corpo ao projeto e o materializar numa empresa foi o anúncio que Paulo Castro viu “por casualidade”, do programa acelerador de 'startups' do Turismo de Portugal o Tourism Creative Factory. A Portuguese Table foi um dos 16 projetos finalistas apurados na fase inicial do Tourism Creative Factory, programa destinado a identificar empreendedores e a transformar ideias criativas em bons negócios, tendo como 'fábricas' as escolas de hotelaria e turismo a nível nacional.

“Toda a minha vida profissional trabalhei com tecnologias, mas este 'networking' no turismo com o Tourism Creative Factor permitiu-me começar por cima, até para o enquadramento legal da atividade”, salienta Paulo Castro. “Esta ligação ao Turismo de Portugal tem sido fantástica, e não estava a contar com uma receção tão calorosa ao projeto, que é um pouco disruptivo neste sector”.

A Portuguese Table foi oficialmente lançada a 17 de junho na Escola de Hotelaria do Porto, como a primeira 'startup' a ir para o mercado como resultado do programa Tourism Creative Factory. “Este é um negócio legal e alinhado com os objetivos do Turismo de Portugal, no sentido de proporcionar experiências únicas a quem nos visita”, frisa Paulo Castro. “Isto surgiu porque o gosto de cozinhar é muito marcante entre os portugueses, e todo o convívio que se cria à volta da mesa pode de facto aproximar mais os turistas da nossa cultura, da gastronomia e hospitalidade que nos caracterizam”.