Siga-nos

Perfil

Expresso

Sociedade

É mais divertido nas Filipinas

  • 333

As Filipinas têm 7107 ilhas e é improvável que as visite todas, a menos que tenha a vida toda

André de Atayde

André de Atayde

Texto e fotos

Jornalista

Admitamos, há algumas coisas — viagem de avião de 19 horas com duas escalas, os atrasos nos voos internos de ligação entre ilhas, os preços-não-tão-baratos para um país do Sudeste asiático — que fazem das Filipinas um país longe de ser o ideal para se visitar. Mas há tantas outras que o tornam espetacular. A ilha de Cebu é uma delas, nos seus 196 quilómetros de comprimento e 32 de largura. Mas também há o bem receber dos locais, o peixe e o marisco de frescura vívida, o Tanduay e a máquina de karaoke no quintal de cada casa.

Chegados ao aeroporto internacional de Mactan, na Cidade do Lapu-Lapu, há dezenas de carrinhas que fazem das viagens de ligação em terra o seu ganha-pão. Condutores experientes de condução tranquila, ou nada disto é verdade e aqui, sim, a ficção supera em larga escala a realidade e um percurso que deve demorar cerca de três horas é sistematicamente posto à prova. Serve também para se perceber que as infraestruturas em Portugal são bastante boas, tendo em conta a distância percorrida: 132 quilómetros.

O atraso no voo de ligação fez a chegada de noite, e em Tanawan pouco mais há do que duas dezenas de casas, dois ou três restaurantes abertos até não muito tarde — já aqui voltamos —, uma ou duas mercearias recheadas de pouca coisa e uma escola primária. Na verdade, ninguém deve passar mais do que duas noites nesta pequena localidade atravessada por uma estrada, porque além do mergulho com os tubarões-baleia pouco ou nada há para fazer.

Noite. Estradas sem iluminação. Fome. E uma belíssima surpresa num restaurante de beira de estrada: os filipinos assam frango como ninguém. Jantados, seguimos caminho, a alvorada no dia seguinte era às 5h para ir mergulhar. A casa onde ficamos era a poucos metros do local de onde partiam os barcos 1 em direção aos tubarões-baleia. Também a poucos metros da costa, lá estavam eles a serem alimentados e “à nossa espera”.

Mergulho feito e a sensação de que se é formiga ao lado daquele gigante pacífico 2.

Passemos à frente o resto do dia e chegamos ao jantar. Como escrevi, pouco ou nada se passa em Tanawan. Resolvemos ir ao La Terrasse a horas que julgávamos decentes para degustar da gastronomia local e não sei se a surpresa maior foi a nossa ou a das empregadas que, muito provavelmente, já não esperavam clientes. Mas também este jantar foi uma experiência. Entre noodles pré-cozinhados e peixe à escolha não foi difícil, e lá se foi para a grelha garantir que o peixe sairia no ponto.

Dia seguinte, viagem de Oslob para Moalboal numa van e um par de horas de caminho. Moalboal é mais movimentada, ou não fosse um dos melhores destinos para os entusiastas do mergulho. Peixes de várias cores, com sorte tartarugas e, a poucos metros da costa, logo a seguir à parede de coral, milhares (ou milhões!) de sardinhas que bailam ao ritmo da corrente, num espetáculo que causa arrepios e não precisa de botijas de oxigénio para ser visto.

As Filipinas podem ser muita coisa. Manila pode ser uma cidade onde o seu peso se sente nos ombros. A praia de Boracay pode ser um extenso areal branco cheio de turistas. Oslob pode viver dos tubarões-baleia e nada mais. Moalboal são as sardinhas, o mergulho e os ladyboys. Mas, tal como diz a campanha criada pelo Departamento de Turismo do país, “It’s More Fun in the Philippines”. E é mesmo.

A cascata de Tumalong

Uma das maravilhas da pequena ilha de Cebu é a sua beleza natural, tendo cada município as suas atrações especiais. A cascata de Tumalong 3 é uma das maravilhas naturais de Oslob e está a uma viagem de 15 minutos de carro a partir de Tanawan.

Chegando ao parque de estacionamento, é só descer a estrada de inclinação média. Se preferir, pode sempre descer e subir de mota, e estão lá vários rapazes à espera de socorrer os menos afoitos.

Chegando lá a baixo prepare-se para ficar encantado com a água a cair ‘em chuveiro’ sempre junto ao rochedo, formando pequenos arco-íris, e o lago azul-turquesa. É como se estivesse noutro mundo. De água fria, é certo, ainda assim ideal para o calor que se faz sentir.