Siga-nos

Perfil

Expresso

Sociedade

Sócrates: suspeitas sobre atuação em relação à PT “são completamente falsas”

  • 333

ANTÓNIO COTRIM / LUSA

Em entrevista no Jornal das 8 da TVI, Sócrates reagiu com indignação às notícias que indicam que o seu Governo condicionou a OPA que a Sonae fez à PT, para a fazer chumbar

José Sócrates afirmou esta quinta-feira que a suspeita recente que lhe é dirigida no âmbito da Operação Marquês relativa à Portugal Telecom (PT) “é absolutamente difamante.”

Em entrevista no Jornal das 8 da TVI, Sócrates reagiu com indignação às notícias que indicam que o seu Governo orientou a OPA que a Sonae fez à PT para a fazer chumbar. “São completamente falsas”, reagiu, afirmando que a Caixa Geral de Depósitos (CGD) votou contra a OPA “com total liberdade” e “de acordo com os seus interesses”, sem ser condicionada pelo Governo. “O Estado nada teve a ver com isso”, reforçou, , sublinhando que o seu Executivo agiu com “neutralidade” nesta matéria.

“Nunca fui confrontado com a suspeição da PT, mas é tão absurda e espatafúrdia como as outras”, atirou. Recorde-se que José Sócrates foi detido a 21 de novembro de 2014, no aeroporto de Lisboa, indiciado pelos crimes de corrupção, branqueamento de capitais e fraude fiscal qualificada, no âmbito da Operação Marquês, na qual é o principal dos 17 arguidos já constituídos.

Na entrevista à TVI, o antigo primeiro-ministro voltou a acusar o Ministério Público de “abuso de autoridade”, reafirmando aquilo que já dissera anteriormente: para ele, este processo tem o “objetivo político” de julgar o seu Governo e de lançar uma “campanha de difamação” contra si, num processo onde considera terem sido violados “leis e prazos”.

  • Sócrates diz que vai processar o Estado português

    Ex-primeiro-ministro acusa Ministério Público de ter iniciado uma segunda campanha de difamação contra si ao levantar suspeitas sobre a sua atuação em relação à Portugal Telecom. José Sócrates considera “gravíssima” a declaração do diretor do DCIAP à SIC sobre a possibilidade de a investigação da Operação Marquês não terminar no prazo fixado de 15 de setembro e assume que vai processar o Estado. "Quiseram impedir-me de concorrer a Presidente"