Siga-nos

Perfil

Expresso

Sociedade

O Porto vai ter mimos para a geração Potter

  • 333

Rui Duarte Silva

Foi notícia que o “lançamento mundial” do novo livro de Harry Potter seria na Livraria Lello, no Porto. Não é bem assim: não haverá atores internacionais nem escritores presentes (pelo menos não há confirmação disso). Ainda assim, haverá muitos acontecimentos programados pela Lello para a geração Harry Potter

Há qualquer coisa no ar, nas cores e nos traços da arquitetura. Se não soubéssemos que do lado de fora estava a cidade do Porto, poderíamos jurar que tínhamos acabado de mergulhar no mundo fantástico criado por J.K. Rowling. A Livraria Lello é quase um local de culto para os fãs de Harry Potter. Dizem que outrora, no início da década de 90, quando a escritora britânica viveu no Porto, se sentava num cantinho no primeiro andar a rabiscar as primeiras aventuras do jovem feiticeiro - personagem que a haveria de tornar uma das autoras mais populares e ricas do mundo. Por isso, não seria de espantar que aquele fosse o local escolhido para o lançamento de um novo livro (que é o guião da peça de teatro que estará em cena em Londres). Mas não foi.

Ao contrário do que tem sido noticiado, o Porto não foi o local eleito pela editora ou pela escritora para apresentar o mais recente manuscrito. A Livraria Lello criou um evento nas redes sociais a anunciar que iria abrir portas às 00h do dia 31 de julho para o “lançamento mundial” da obra “Harry Potter and The Cursed Child - parts I and II”. Foi essa expressão que esteve na origem das confusões. O evento não é única e exclusivamente da Livraria Lello. Milhares de outras livrarias em todo o mundo estarão à meia-noite do dia 31 de julho a vender o “oitavo livro” da saga. O que poderá diferenciar o acontecimento naquela que é considerada uma das livrarias mais belas do mundo é o programa das festa. “Chamou-se ao evento 'lançamento mundial' porque o livro vai ser lançado em todo o mundo”, explica ao Expresso Minês Castanheira, responsável pela comunicação da Lello.

“Calculámos que a agitação à porta da livraria nas horas anteriores ao lançamento seria grande", por isso a ideia foi criar uma experiência à altura. “A Livraria Lello vai vestir-se a rigor. Será quase como uma Hogwarts em miniatura”, acrescenta.

Lá dentro estará uma Nimbus 2000, uma réplica da primeira vassoura voadora usada por Harry Potter, e até uma recriação da Platform 9 3/4, a célebre plataforma de comboio que dá acesso ao universo da escola de magia. Os uniformes dos estudantes da Escola da Magia e Feiticeria, bem como muitos outros detalhes que vão remeter o leitor (e também espectador) para o universo de Harry Potter.

A partir das 22h, a Rua das Carmelitas vai estar fechada ao trânsito para receber os milhares de Potterheads esperados. Enquanto aguardam pelas doze badaladas, a animação não vai faltar. Hagrid, Dumbledore e Snape (as personagens encarnadas por atores portugueses, e não os atores que os representaram no grande ecrã) darão as boas-vindas a todos, testando a cultura Potteriana dos presentes e fazendo algumas leituras encenadas. Mais tarde, pelas 23h, começam a ser servidas poções mágicas, receitas secretas com bebidas naturais e corantes que prometem trazer mais magia à noite de verão.

À meia-noite chegará o grande momento: a altura de conhecer a capa do novo livro - ainda só diponivel em inglês (preço de venda ao público 26€). Só para o lançamento, a Lello encomendou 1000 livros.

Não se sabe quem poderá aparecer - "ainda na semana passada tivemos a visita de Harrison Ford”, partilha Minês Castanheira. “E não seria a primeira vez que a J.K. Rowling apareceria na Lello.”

A história de amor e desamor de Rowling e o Porto

O novo livro não é uma narrativa. Na realidade, trata-se da adaptação do guião da peça que vai estar nos palcos de West End, em Londres, e que estreia poucas horas antes do lançamento. Ou seja, a peça chega ao público na noite de 30 de julho e o livro à meia-noite de dia 31 (data em que J.K Rowling, e também a personagem Harry Potter, celebram o seu aniversário).

J. K Rowling viveu cerca de dois anos no Porto, onde se terá inspirado para escrever alguns pormenores da história de Harry Potter

J. K Rowling viveu cerca de dois anos no Porto, onde se terá inspirado para escrever alguns pormenores da história de Harry Potter

ADRIAN DENNIS

O manuscrito é baseado numa nova história da autoria de J.K. Rowling, a que se juntaram o argumentista Jack Thorne e o encenador John Tiffany. Foi a Thorne que calhou a responsabilidade de escrever o guião e, por isso mesmo, é ele o autor principal do novo livro.

A aventura começa exatamente no momento em que vimos Harry pela última vez, já adulto, “na Plataforma 9 ¾, a despedir-se dos filhos”. Mas, afinal, qual a importância do Porto na vida da escritora britânica?

Joanne Rowling chegou à cidade do norte de Portugal em 1991. Atravessava um período complicado: a mãe acabara de falecer, vítima de esclerose múltipla. Ensinou inglês em duas escolas. E apaixonou-se. Em poucos meses, casou com Jorge Arantes e, em 1993, deu à luz a primeira filha, Jessica, na Maternidade Júlio Dinis. A vida a dois não foi fácil - há quem fale em episódios de violência e discussão entre o casal. A relação não durou e Rowling fugiu para Edimburgo, na Escócia. “Esperava, ao regressar de Portugal, trazer nos braços um livro escrito. Na verdade, voltei com algo melhor: a minha filha, Jessica”, escreveu na página oficial.

Os fãs garantem que encontram detalhes na história de Potter marcados pela vivência da autora no Porto. Além da Lello, que terá inspirado a escadaria de Hogwarts e a livraria fictícia Flourish and Blotts, há ainda quem fale nos jardins do Palácio de Cristal e no Café Majestic.

Os lançamentos da saga são sempre motivo de forte celebração, levando milhares de leitores a fantasiarem-se.

Os lançamentos da saga são sempre motivo de forte celebração, levando milhares de leitores a fantasiarem-se.

Lisa Maree Williams

No livro "J.K. Rowling - Uma Biografia", Sean Smith avança que o poema “A Pedra Filosofal”, de António Gedeão, influenciou a escolha do título do primeiro livro da saga. Há ainda outra teoria: no volume "A Câmara dos Segredos", Salazar Slytherin surge entre os quatro feiticeiros fundadores da escola de magia de Hogwarts. Para o académico inglês Christopher Rollason, ex-professor da Universidade de Coimbra, esta é "uma referência evidente ao ditador fascista António de Oliveira Salazar".

Também se pensa que os trajes académicos usados pelos estudantes universitários tenham inspirado o uniforme de Hogwarts. Não se sabe se é fruto da imaginação de quem lê, mas as semelhanças são inegáveis. J.K. nunca confirmou nem desmentiu. O que é certo é que, para os fãs de Potter, a noite do próximo sábado será mágica. Com ilusão e simbolismos à mistura.