Siga-nos

Perfil

Expresso

Sociedade

Antigo líder da Cosa Nostra morre aos 83 anos

  • 333

Bernardo Provenzano (ao centro) fotografado à chegada às instalações da Polícia em Palermo, a 11 de abril de 2006, após 30 anos de clandestinidade e fuga permanente às autoridades italianas

AFP / Getty Images

Bernardo Provenzano viveu mais de 40 anos na clandestinidade. Preso desde 2006 num regime de alta segurança, depois de várias condenações a prisão perpétua, o chefe mafioso estava hospitalizado há dois anos, com um cancro

Bernardo Provenzano, o antigo chefe supremo da Cosa Nostra, a máfia siciliana, morreu esta quinta-feira na prisão, anunciaram os media italianos.

O antigo chefe criminoso, de 83 anos, encontrava-se no hospital de San Paolo, em Milão, a ser tratado a um cancro diagnosticado há vários anos.

Provenzano foi detido em 2006 após mais de 40 anos de clandestinidade e de mistérios. Preso desde então num regime de alta segurança, depois de várias condenações a prisão perpétua, o chefe mafioso foi hospitalizado em abril de 2014.

Antes de ser detido em 2006, Bernardo Provenzano era um dos líderes mafiosos mais procurados em Itália

Antes de ser detido em 2006, Bernardo Provenzano era um dos líderes mafiosos mais procurados em Itália

FABRIZIO VILLA / AFP / Getty Images

Nascido a 31 de janeiro de 1933 em Corleone (Sicília) – nome que ficou associado à máfia devido ao romance e aos filmes de "O Padrinho" – Provenzano foi subindo gradualmente na hierarquia da organização antes de chegar à Cúpula, o mais alto órgão de decisão do "polvo".

Alegadamente, cometeu o seu primeiro assassínio aos 25 anos, quando matou um chefe rival, e era alcunhado de "o trator" devido ao modo como ceifava as suas vítimas. Mais tarde ganhou uma segunda alcunha, "o contabilista", devido à sua mestria das finanças do seu império do crime.

Provenzano, que entrou na clandestinidade no início dos anos 1970, participou nas decisões mais importantes da Cúpula, enquanto "braço direito" de Toto Riina, o chefe histórico da máfia, detido em 1993, e que substituiu então.

Riina e Provenzano são ambos do clã Corleone, que dirigiu a máfia com mão de ferro durante mais de duas décadas.