Siga-nos

Perfil

Expresso

Sociedade

Acidente com C-130: Força Aérea desmente notícias sobre salvamento

  • 333

Base Aérea do Montijo. Duas horas depois do acidente ainda decorriam as operações de socorro

Tiago Miranda

Em comunicado, a Força Aérea nega as informações avançadas por alguns meios, que davam conta que dois militares teriam morrido a tentar salvar um tenente-coronel que seguia no C-130 que se incendiou há dois dias na Base do Montijo

O avião C-130H que se incendiou segunda-feira na base aérea do Montijo provocando a morte a três dos sete tripulantes "imobilizou-se fora da pista" durante a corrida de descolagem e a tripulação não chegou a reportar qualquer emergência.

Em comunicado divulgado esta quarta-feira no seu site, a Força Aérea Portuguesa (FAP) avançou algumas conclusões preliminares da Comissão Central de Investigação ao acidente, esclarecendo que a "aeronave imobilizou-se fora da pista, incendiando-se de imediato, o que resultou na sua perda total".

"O acidente ocorreu durante uma missão de treino para qualificação da tripulação, ainda na corrida de descolagem, sem que esta se tenha verificado", refere a FAP.

Da parte da tripulação, "não houve reporte de qualquer situação de emergência".

A FAP afirmou que "os quatro militares que conseguiram sair da aeronave fizeram-no pelos seus próprios meios, não tendo em qualquer momento regressado ao avião".

Posteriormente, foi "confirmada a presença de três vítimas mortais no interior" do avião.

A FAP acrescenta que da investigação "não resultou ainda qualquer conclusão" sobre a causa do acidente.

O ponto da situação divulgado pela FAP indica também que o militar com lesões graves continua internado no Hospital de São José, Lisboa, "encontrando-se estabilizado" mas mantém "o prognóstico reservado".

Quanto aos três feridos ligeiros, assistidos no Hospital das Forças Armadas, receberam alta hospitalar durante a tarde de terça-feira.
O inquérito conduzido pela Comissão Central de Investigação visa apurar os factos através da preservação de evidências, desde logo na pista e nos destroços do avião e da recolha de testemunhos por parte da tripulação sobrevivente (quatro militares), disse à Lusa o coronel Rui Roque, porta-voz do ramo.

A peritagem de componentes, a cativação e análise das comunicações e ainda a avaliação das condições meteorológicas que se faziam sentir no local e na altura do acidente são outros passos necessários ao inquérito, adiantou.

Se for necessário, acrescentou, é possível recorrer a especialistas externos às Forças Armadas em áreas específicas quer nacionais, quer estrangeiros.

O acidente sofrido pelo C-130H foi o primeiro com vítimas mortais na história desta classe de aeronaves ao serviço da Força Aérea Portuguesa.

Seguindo os procedimentos legais, por ter ocorrido dentro do perímetro das instalações militares e dado terem-se registado três vítimas mortais, a Polícia Judiciária Militar foi notificada, indicou.