Siga-nos

Perfil

Expresso

Sociedade

Morreu João Ribeiro, o decano dos jornalistas portugueses

  • 333

O fotojornalista, de 91 anos, morreu esta sexta-feira em Cascais, onde se encontrava hospitalizado. João Ribeiro, que iniciou a profissão em 1946, assinou destacados trabalhos como a coroação de Nossa Senhora de Fátima pelo Papa Pio XII, a visita a Portugal da Rainha Isabel II ou uma reportagem que recordava com gosto: três meses com pescadores portugueses na Terra Nova

Inácio Ludgero

O fotojornalista João Ribeiro morreu esta sexta-feira, aos 91 anos, em Cascais, onde se encontrava hospitalizado. Era o decano dos jornalistas portugueses (detentor da carteira profissional n.º 1 e sócio mais antigo do Sindicato dos Jornalistas) e, necessariamente, dos repórteres fotográficos. Para as sucessivas gerações de fotógrafos que foi vendo chegar à profissão foi sempre visto como uma figura tutelar.

João Ribeiro nasceu em Silves, em 1925. Iniciou a carreira em 1946 (há 70 anos), praticamente em simultâneo no "Século" e no "Diário da Manhã". Seguiram-se o "Diário Ilustrado", "Jornal de Notícias", "Diário de Lisboa", "Época", "A Capital". Em 1987, foi contratado pelo semanário "O Jornal" (que viria a dar lugar à "Visão"), onde trabalhou até se reformar, aos 69 anos, em 1994. Mas continuou a fotografar e só terminaria a carreira em 2007, no "Jornal de Letras".

A Rui Ochôa, durante décadas o responsável pela fotografia do Expresso, coube fazer o elogio de João Ribeiro na homenagem que a Sociedade Portuguesa de Autores (SPA) lhe promoveu em 2011.

O bichinho da fotografia contagiou João Ribeiro aos 12 anos, quando foi presenteado com uma Kodak. Ficou com o destino traçado: "Fotógrafos como o americano Weege ou Robert Capa, ou ainda o francês Cartier-Bresson, eram os heróis preferidos de uns 16 anos irrequietos", conta Ochôa.

A progressão de Ribeiro no ofício foi rápida e sustentada. "João foi aprendendo tudo com a avidez de quem tudo queria saber, com uma vontade insaciável de captar tudo. Sempre pronto para tudo fazer, para melhorar", descreve Rui Ochôa.

Demorou pouco tempo a dar nas vistas, com a reportagem de coroação de Nossa Senhora de Fátima pelo Papa Pio XII. Mais tarde, a visita a Portugal da Rainha Isabel II, de Inglaterra, foi outro dos trabalhos marcantes. Uma reportagem de que se orgulhava especialmente foi uma viagem de três meses com pescadores portugueses do bacalhau nas águas da Terra Nova.

Na homenagem da SPA em 2011, Rui Ochôa assumiu os ensinamentos que recebeu do "Grande Mestre", alguém "muito exigente e teimoso. Mas as suas qualidades de homem bom e cordato fizeram de mim (e de muitos, muitos outros) aquilo que sou", afirmou Ochôa.

De outra geração um pouco mais nova, António Pedro Ferreira, fotojornalista do Expresso, recorda João Ribeiro: "Acarinhava especialmente os jovens, com quem gostava de compartilhar as velhas histórias do jornalismo".

Ferreira conta que Ribeiro tinha uma companhia quase inseparável: "Só me lembro dele sem máquina fotográfica quando passava férias em Tavira".

A ascendência de Ribeiro junto dos outros fotógrafos é contada por António Pedro Ferreira: "Naquelas situações em que por vezes disputamos os melhores lugares para captar a imagem, e há por vezes alguns encontrões, a simples presença de João Ribeiro era uma fonte de apaziguamento, evitando que alguns cometessem excessos. Ele era um diplomata".

Um tributo, raro em Portugal, prestado por toda a classe jornalística a um dos seus pares foi dado a João Ribeiro, em 1998. Durante o 3.º Congresso dos Jornalistas, recebeu "uma Rolleiflex em cristal, envolvida por uma renda da Joana Vasconcelos", diz António Pedro Ferreira. "Um reconhecimento do notável trabalho efetuado em prol do jornalismo português", assinalou Rui Ochôa na sessão da SPA, em 2011.

Agora que João Ribeiro desaparece, António Pedro Ferreira aponta algo que está por fazer: "Só lamento não haver uma monografia com o trabalho dele".

O corpo do decano dos repórteres fotográficos portugueses estará a partir das 16h desta sexta-feira no centro funerário de Cascais, onde será cremado este sábado, 9 de Julho, às 12h.