Siga-nos

Perfil

Expresso

Sociedade

Voar com segurança

  • 333

ESPERTO. O Phantom 4 deteta e desvia-se de obstáculos. Desde que não seja uma parede branca

d.r.

É, sem dúvida, a marca de referência no que a drones diz respeito, mas o fabricante chinês não “dorme à sombra da bananeira”. Já um novo quadricóptero nos céus, o Phantom 4. E é mais do que apenas uma evolução do modelo anterior. A experiência Phantom 4 começa na embalagem. O esferovite normalmente utilizado para proteger os aparelhos foi substituído por um material mais denso, que funciona como caixa de transporte (há até espaço para duas baterias extra). Torna-se muito mais fácil e seguro transportar este quadricópetero.

Como já acontecia com outros Phantom, um conjunto de sensores, com destaque para o GPS, permite manter o aparelho sob controlo mesmo quando há vento relativamente forte. O piloto não tem de andar a compensar movimentos ou as correntes de ar: só nos temos de preocupar com o controlo da direção e de altura. O comando ergonómico ajuda neste campo e o sofisticado estabilizador faz com que as imagens pareçam ter sido captadas com um género de tripé montado nos céus. Aliás, o comportamento do estabilizador, conhecido por Gimbal, cai na categoria do “é preciso ver para crer”. O smartphone ou tablet funciona não só para receber o vídeo em direto como para controlar funções mais avançadas do aparelho, nomeadamente a criação de voos programados: só temos de tocar nos pontos que pretendemos sobrevoar no mapa apresentado (imagem do Google Maps), definir as alturas e pressionar o botão para iniciar o voo.

Sensores de obstáculos

A grande novidade do mais recente Phantom é a utilização sensores de obstáculos frontais. Experimentámos este sistema com árvores, pessoas, carros e paredes. Funcionou sempre… até experimentarmos com uma parede branca, que não foi detetada. O choque demonstrou a resistência do aparelho: partiu-se uma hélice, mas nem mais um risco. Há também sensores por baixo, que impedem choques contra o chão: podemos baixar o drone a toda a velocidade, que ele aterra em segurança.

Esta inovadora tecnologia de deteção de obstáculos aumenta muito a segurança do voo, sobretudo quando estamos ainda a dar os primeiros passos na pilotagem deste tipo de aparelhos. Aliás, os processos de descolar e aterrar, momentos em que há normalmente mais hipóteses de acidentes, podem ser realizados de modo totalmente automático – só basta clicar num botão disponível na app.

Mas atenção: não há sensores na traseira nem nas lateiras! Ou seja, não há automatismos para evitar choques quando o drone voa para trás ou para os lados, operações que devemos evitar, pelo menos enquanto não acumulamos horas de voo.

Vídeo em direto

O sistema de transmissão de vídeo em direto e sem atrasos da DJI é um dos maiores trunfos deste fabricante, permitindo receber sinal de vídeo no smartphone ou tablet a distâncias muito grandes. O que ajuda a pilotar quando deixamos de ver o drone – podemos recorrer à imagem captada pela câmara. O comando inclui dois botões programáveis, botões para controlo direto da câmara (rotação, gravação) e botão para ativar o modo Home (regresso à base automático, evitando obstáculos pelo caminho).

A app tem muita informação e permite ativar diferentes automatismos, como orbitar em volta de um motivo ou mesmo segui-lo. Só temos de clicar sobre o motivo a seguir – uma pessoa, por exemplo – e ativar o sistema. Funciona bem, desde que o drone não esteja muito longe e desde que o motivo não se desloque demasiado depressa. Como, neste modo, o drone só voa virado para a frente, os sensores evitam acidentes. Isto significa que podemos, por exemplo, colocar o drone a seguir um ciclista sem grandes receios que choque contra uma árvore.

O sensor da câmara 4K é o mesmo que é utilizado no Phantom 3 Professional e no Inspire One. Mas foram feitas atualizações importantes, que melhoram ligeiramente a qualidade de imagem e, mais importante, adicionam um modo de câmara lenta em Full HD (120 fps).

Independentemente das questões técnicas, o resultado surpreende pela positiva. Seja em fotografia, seja em vídeo, as imagens captadas lá do alto têm uma elevada qualidade de imagem. Mesmo quando as condições de luz não são as melhores, as imagens apresentam um grande detalhe. Ao nível profissional, apesar de este ser um drone destinado, sobretudo, a amadores.

Rápido, muito rápido

O desempenho do Phantom 4 impressiona, mesmo para quem já tenha pilotado o Phantom 3. Em modo Sport, sem assistência GPS, é possível atingir mais de 70 km/h. O mesmo se pode dizer do comportamento com ventos relativamente fortes: o drone aguenta bem mais do que antecipávamos. E é capaz de voar entre 22 a 28 minutos sempre a gravar.

Em suma, o Phantom 4 é um gadget voador capaz de captar imagens fantásticas sem exigir experiência de pilotagem. O sistema se sensores é eficiente, embora também seja verdade que pode criar uma falsa sensação de segurança – demonstrámos que nem sempre vê paredes brancas, por exemplo. De qualquer modo, se é fã de fotografia ou de vídeo e estava a pensar adquirir um drone para levar o seu passatempo a outras alturas, o Phantom 4 é a melhor opção do momento.