Siga-nos

Perfil

Expresso

Sociedade

As auroras mais brilhantes do Sistema Solar

  • 333

Um grande espetáculo de luzes na atmosfera de Júpiter está a ser estudado por astrónomos da NASA e da Agência Espacial Europeia. “Estas auroras são realmente impressionantes e estão entre as mais dinâmicas que alguma vez vi”

Num dos polos do maior planeta do Sistema Solar, uma dança de luzes enérgica está a ser presenciada pela NASA e agência espacial europeia (ESA). Numa altura em que a missão espacial Juno se aproxima de Júpiter, o telescópio espacial Hubble tem captado algumas imagens impressionantes daquelas que são as auroras mais brilhantes do sistema solar.

Os astrónomos estão a utilizar as capacidades ultravioletas do telescópio para estudar de que forma as auroras de Júpiter respondem às diferentes condições do vento solar. É por isso que a NASA e a ESA têm observado o planeta, diariamente, desde há cerca de um mês.

Grandes espetáculos de luzes na atmosfera de um planeta, as auroras originam-se quando partículas de alta energia entram na atmosfera perto de um dos seus pólos magnéticos e colidem com átomos de gás. O resultado são imagens arrebatadoras como a que podemos ver no vídeo elaborado a partir de imagens e modelizações.

Mas enquanto as auroras terrestres são causadas por tempestades solares, as jupiterianas originam-se quando o enorme campo magnético do planeta atua sobre partículas carregadas do sol (ou da lua). Assim, as auroras de Júpiter são muito maiores e milhares de vezes mais brilhantes que as do planeta Terra. E, ao contrário destas, nunca desaparecem.

“Estas auroras são realmente impressionantes e estão entre as mais dinâmicas que alguma vez vi”, diz Jonathan Nichols, investigador principal do estudo, da Universidade de Leicester, em comunicado enviado ao Expresso. “Até parece que Júpiter está a lançar uma festa de fogo de artifício para a chegada iminente de Juno.”

Juno, a missão espacial da NASA, deverá chegar este mês à órbita do planeta, com o intuito de mapear o campo magnético de Júpiter durante um ano e meio, estudando a sua interação com o vento solar e a origem das auroras.