Siga-nos

Perfil

Expresso

Sociedade

Claudia, a primeira mulher a comentar um jogo da seleção alemã

  • 333

PATRICK SEEGER / EPA

Claudia Neumann estreou-se no comentário desportivo de um jogo da seleção nacional de futebol (masculino) há uma semana. É a primeira mulher na Alemanha a assumir este papel

São números do Euro 2016: 99% dos jornalistas destacados pelas redações de centenas de jornais e canais de televisão são homens. Até aqui, nada de novo. O futebol continua a ser um dos desportos mais predominantemente masculinos. Claudia Neumann tem 52 anos e é jornalista desportiva da ZDF, o segundo canal da televisão pública alemã. Trabalha há décadas na área do desporto como redatora, repórter e comentadora dos jogos da seleção feminina de futebol. Mas no que toca à equipa de futebol masculina, esta foi a sua estreia - no Euro 2016. Para ela, o mais importante para exercer a profissão é ter uma "imensa paixão" por futebol. E ela teve-a, a vida toda. Quando era miúda, jogou à bola muitas vezes – a tal ponto que a mãe lhe perguntava com frequência se não preferia fazer "coisas de raparigas".

O mundo do futebol continua a ser largamente um universo masculino – muitas vezes cheio de atitudes e comentários machistas. E Claudia já se habituou à pergunta que mais lhe fazem: "Mas tu alguma vez jogaste futebol?". Ela vai retorquindo que "sim, muitas vezes." Para ela, a mulher irá integrar-se progressivamente também nesta profissão, de modo natural, como parte da evolução do papel feminino na sociedade. Mas um olhar em volta demonstra bem que não há muitos rostos femininos no futebol ao mais alto nível.

O mundo do desporto nunca foi de acesso fácil para as mulheres, mas existiram pioneiras em todo o lado. Em Portugal, Cecília Carmo é o rosto feminino mais antigo ligado ao jornalista desportivo. Esteve 29 anos na estação pública de televisão - e quando começou, não era normal haver mulheres a trabalhar nessa área. Formada em comunicação social, trabalhou dois anos na secção de desporto do Expresso antes de se mudar para os ecrãs da RTP. Comunicou este ano que iria sair da estação, deixando vários programas (como o "Domingo Desportivo") com a sua assinatura.

No país do lado, Espanha, também várias mulheres se dedicaram ao jornalismo desportivo. Mari Carmen Izquierdo, María Escario ou Olga Viza foram algumas das pioneiras e entre as mais recentes encontra-se a mediática Sara Carbonero, jornalista desportiva que acabou por casar com Iker Casillas, guarda-redes da seleção espanhola e atual guarda-redes do FC Porto. Carbonero começou em 2007 por acompanhar a seleção espanhola de basquetebol, no EuroBasket 2007, e em 2009 assinou com a estação televisiva Telecinco, como apresentadora desportiva. O seu primeiro trabalho de relevo foi como repórter na Taça das Confederações, na África do Sul - e terá sido nessa altura que começou a namorar com Casillas. Em 2010, no Campeonato do Mundo, também na África do Sul, Sara Carbonero voltou a fazer parte da equipa de jornalistas da MediaSet que viajou para lá. Nesse ano, a seleção espanhola sagrou-se campeã mundial – e numa entrevista no final do jogo, Casillas beijou Carbonero, num beijo que ficaria registado na história do futebol.

Esta sexta-feira, a voz que comentou o Suécia-Itália foi novamente a de Claudia Neumann. A alemã continuará a desbravar caminho. Embora admita ela própria que não representa "nenhuma quota feminina".