Siga-nos

Perfil

Expresso

Sociedade

Espião garante que só negociava azeite com o agente russo

  • 333

CONTRAESPIONAGEM. Frederico Carvalhão Gil, fotografado em Kiev, capital da Ucrânia, em 2007

Ministério Público aguarda autorização de primeiro-ministro António Costa para aceder aos documentos apreendidos em Roma

Frederico Carvalhão Gil, o agente do SIS detido em Roma a 21 de maio, disse em tribunal que os 10 mil euros em dinheiro vivo com que foi apanhado em flagrante num café da capital italiana eram para exportar azeite clandestinamente para a Rússia. Interrogado esta terça-feira no Tribunal Central de Instrução Criminal, depois de extraditado de Itália para Portugal no domingo, o espião português negou que tivesse vendido documentos secretos da NATO a Sergey Nicolaevich Pozdnyakov, um agente do SVR, o braço internacional dos serviços secretos russos.

Confrontado com a circunstância de o agente russo ter sido detido com documentos classificados no momento imediatamente a seguir ao encontro no café em Roma, Carvalhão Gil refutou qualquer ligação a esse facto. O antigo chefe de contraespionagem do SIS explicou que Sergey é seu amigo e que estavam a iniciar um negócio juntos. A exportação de azeite para a Rússia está bloqueada pelo embargo dos países da NATO imposto ao Governo de Vladimir Putin. Os 10 mil euros serviriam, alegadamente, para o português pagar a um produtor local de azeite.

Nem os procuradores João Melo e Vítor Magalhães nem o juiz Ivo Rosa se deixaram convencer pelos argumentos do suspeito e determinaram que ficasse em prisão domiciliária, justificando essa necessidade com um elevado perigo de fuga. Carvalhão Gil ficou para já em prisão preventiva, enquanto os serviços prisionais se certificam de que existem condições para poder ficar em casa com uma pulseira eletrónica.

A PJ descobriu 35 mil euros guardados em casa do suspeito, além de documentos classificados, incluindo da NATO, que não deviam ter saído das instalações do SIS. Uma fonte próxima do espião alega que o dinheiro encontrado durante as buscas corresponde às poupanças de muitos anos a trabalhar nos serviços secretos — e que o arguido preferia ter em casa em vez de depositar no banco. Carvalhão Gil disse aos procuradores que era habitual levar documentos consigo para fora das instalações do SIS de modo a poder estudar melhor alguns dossiers.

À espera do sim de Costa

O MP já recebeu o conteúdo do envelope intercetado pela polícia italiana a Sergey Pozdnyakov mas aguarda uma autorização especial do primeiro-ministro António Costa para que o segredo de Estado seja levantado e as informações dos documentos possam ser analisadas. Só aí será possível verificar se foram roubadas das instalações do SIS.

Em Itália, o Tribunal da Relação de Roma recusou na terça-feira um pedido de Sergey Pozdnyakov para que fosse libertado. A defesa do espião russo terá avançado entretanto com um recurso para o Supremo Tribunal italiano, enquanto nos corredores diplomáticos as autoridades russas continuam a pressionar Roma para que impeça a extradição do agente do SVR para Lisboa.

Carvalhão Gil esteve preso durante duas semanas na prisão mais importante de Roma, Regina Coeli, conhecida por concentrar alguns dos mais perigosos membros da Máfia e que fica a dez minutos de distância de carro do local onde foi detido, no bairro de Trastevere. Fontes próximas do agente do SIS asseguram que o português foi bem tratado na prisão — onde tinha direito a uma hora de pátio por dia — e admitem que lhe foi perguntado se concordava com a extradição para Portugal.

Indiciado pelos crimes de espionagem, violação do segredo de Estado e corrupção passiva, Carvalhão Gil estava a ser vigiado há sete meses pelo DCIAP, pela PJ e pelo SIS, numa investigação conjunta batizada com o nome ‘Operação Top Secret’. O caso teve início depois de o espião ter sido fotografado por serviços secretos de um país ocidental no outono de 2015 durante um encontro na Eslovénia com o colega russo. Quando o secretário-geral do SIRP (Sistema de Informações da República Portugal), Júlio Pereira, foi informado disso, as suspeitas foram reforçadas pelo facto de Carvalhão Gil ter voado na altura para Itália, fazendo o resto da viagem de carro — de Trieste até Liubliana.

“É tudo completamente ilegal, um disparate pegado”, acusa José Preto, advogado do espião português, argumentando que “o que está em causa é uma absoluta ficção”.

  • Perigo de fuga foi o argumento do Tribunal Central de Instrução Criminal para colocar Frederico Carvalhão Gil em prisão preventiva. Estão em causa crimes de espionagem, violação de segredo de Estado e corrupção

  • O espião português que tem a vida (quase) toda no facebook

    Agente do SIS foi detido por suspeitas de espionagem a favor da Rússia - detenção aconteceu sexta-feira, autoridades confirmaram segunda-feira. Tinha, e continua a ter, uma página no Facebook em que publica fotografias suas atuais e antigas, fotos de viagens a vários países de Leste e imagens da história da Rússia. Quem disse que um espião tem de ser discreto?