Siga-nos

Perfil

Expresso

Sociedade

Portugal considerado o 5º país mais pacífico do mundo

  • 333

Ana Baião

Porém, em termos globais, o Global Peace Index regista uma situação cada vez mais negativa

Luís M. Faria

Jornalista

Portugal é o quinto país mais pacífico do mundo. Esta conclusão retira-se do Global Peace Index (GPI), um relatório internacional com estatuto de referência na matéria. Elaborado pelo Institute for Economics and Peace, uma organização sem fins lucrativos que tem escritórios em três continentes, o GPI avalia os países segundo 23 indicadores, incluindo níveis de militarização, insegurança, violência doméstica, instabilidade política, etc. À frente de Portugal este ano ficaram apenas a Islândia, a Dinamarca, a Áustria e a Nova Zelândia. O nosso país subiu nove lugares desde 2015.

Em termos gerais, o tom do relatório é negativo. Embora tenha havido ligeiramente mais países a melhorar a sua situação do que a piorá-la – 81 contra 79 – globalmente o mundo está a ficar mais violento. Conflitos de natureza diversa, desde guerras a terrorismo, têm gerado um número cada vez maior de vítimas, boa parte delas na zona do Médio Oriente e norte de África (Mena), seguida a alguma distância pelo Sul da Ásia e pela Rússia/Eurásia.

“A deterioração histórica da paz em dez anos foi em larga medida impulsionada pelos conflitos a intensificarem-se na região Mena. O terrorismo também está ao nível mais alto de sempre, as mortes em combate são as mais altas em 25 anos, e o número de refugiados está a um nível não visto desde há 60 anos”, lê-se no relatório.

A Síria, o maior problema

O fundo da tabela é ocupado pelo Iraque, a Nigéria, o Afeganistão, o Paquistão e, acima de todos, a Síria. A guerra civil neste país, além de provocar dezenas de milhares de mortos por ano, obrigou mais de 60 por cento dos seus cidadãos a deixarem as suas casas para escapar à violência. Nalguns países africanos, a percentagem anda pelos 20 por cento. Ao todo, uns 59.5 milhões de pessoas no mundo serão atualmente ou refugiados, ou candidatos a refugiados, ou pessoas internamente deslocadas.

Pela positiva, e falando em zonas, o GPI destaca a Europa, com sete dos dez lugares de topo, embora esses países estejam envolvidos sob uma forma ou outra em acções militares, não se podendo portanto considerar formalmente ‘livres de conflito’. Nesta última categoria entram só o Botswana, o Chile, a Costa Rica, o Japão, as Ilhas Maurícias, o Panamá, o Qatar, a Suíça, o Uruguai e o Vietname.

O relatório estima em 120 milhões de milhões de euros o custo económico da violência ao longo da última década – mais do que o produto interno bruto global em 2015. No caso de Portugal, o valor andará pelos dez milhões de euros.

Um total de 162 países são avaliados e classificados pelo GPI.