Siga-nos

Perfil

Expresso

Sociedade

Jovens podem estar a ser usados como cobaias de novas drogas

  • 333

As novas substâncias psicoativas continuam a aumentar no mercado europeu, com mais de 560 monitorizadas pelo Observatório Europeu da Droga e da Toxicodependência

As novas substâncias psicoativas continuam a aumentar no mercado europeu, revela um relatório, que alerta para a possibilidade de os jovens estarem a ser usados como cobaias de drogas, cujos riscos para a saúde são desconhecidos.

Segundo o "O Relatório Europeu sobre Drogas 2016: Tendências e Evoluções", do Observatório Europeu da Droga e da Toxicodependência (EMCDDA), apresentado esta terça-feira, o número, o tipo e a disponibilidade de novas substancias psicoativas (NSP) no mercado europeu continuam a aumentar, com mais de 560 monitorizadas atualmente pela agência.

Desde 2014, o EMCDDA emitiu 34 alertas de saúde pública aos Estados-Membros relacionados unicamente com o consumo de novas substâncias psicoativas.

As autoridades consideram que responder com rapidez e eficácia à venda de NSP, algumas das quais altamente tóxicas, constitui um "grande desafio".

"Os jovens consumidores podem estar a ser involuntariamente usados como cobaias de substâncias cujos potenciais riscos para a saúde são praticamente desconhecidos", alerta o relatório.

Em 2015, foram notificadas pela primeira vez 98 novas substâncias (101 em 2014), sendo que, uma vez mais, a lista de novas substâncias notificadas foi dominada pelos canabinóides sintéticos e pelas catinonas sintéticas (24 e 26 notificados, respetivamente).

Em conjunto, estes dois grupos representam quase 80 % das 50 mil apreensões de NSP em 2014 e mais de 60% das quatro toneladas apreendidas, refere.

A este propósito, o documento destaca que a cannabis é a droga com maior número de apreensões, correspondendo a mais de três quartos das apreensões efetuadas na Europa (78%).

A quantidade de resina de cannabis apreendida na União Europeia é ainda muito superior à de cannabis herbácea (574 toneladas contra 139 toneladas) e os dados mais recentes mostram que a quantidade de resina apreendida aumentou.

"Os canabinóides sintéticos, vendidos como substitutos «legais» da cannabis, podem ser altamente tóxicos, tendo sido divulgadas intoxicações em massa", alerta.

Em fevereiro deste ano, o EMCDDA emitiu um alerta sobre a MDMB-CHMICA, um canabinóide sintético associado a 13 intoxicações fatais e a 23 não fatais na Europa desde 2014.

As catinonas sintéticas são vendidas como substitutos «legais» de estimulantes como a anfetamina, a MDMA e a cocaína, sendo que a catinona sintética alfa-PVP (5), um potente estimulante, tem sido associada a cerca de 200 intoxicações agudas e a mais de 100 intoxicações fatais desde 2011.

O relatório descreve a forma como os produtores de NSP podem estar agora a direcionar-se para consumidores de droga mais crónicos e problemáticos.

Neste domínio, as preocupações aumentam com o número de novos opiáceos sintéticos detetados, já que desde 2009, foram detetados 19 novos opiáceos, incluindo 11 fentanis, substancias "extremamente potentes" que podem ser vendidas como heroína a consumidores pouco informados, constituindo um "elevado risco de overdose".

Em 2015, 32 mortes na Europa foram associadas ao opiáceo sintético acetilfentanil.

O relatório alerta ainda para o aumento da procura de tratamento ligado ao consumo de anfetaminas, tendo-se registado um aumento de 50% do número de utentes que iniciaram tratamento pela primeira vez com as anfetaminas como droga principal.

Outra preocupação tem que ver com o consumo injetável de estimulantes: dos novos utentes que iniciaram o tratamento em 2014 por consumo de anfetaminas como droga principal, cerca de metade (47%) indicaram a via injetável como principal via de administração.

Vários países referiram igualmente o consumo injetável de metanfetamina e catinonas com outras drogas entre pequenos grupos de homens que têm relações sexuais com outros homens, uma prática designada por 'slamming', associada a níveis elevados de comportamentos sexuais de risco.