Siga-nos

Perfil

Expresso

Sociedade

A frase que tramou o agente duplo do SIS

  • 333

TOUPEIRA RUSSA. Frederico Carvalhão Gil tem como companheira uma cidadã da Geórgia, país que fez parte da União Soviética até 1991. E as fotos que foi publicando no seu Facebook mostram que era habitual viajar pelos antigos territórios da Cortina de Ferro

O espião Frederico Carvalhão Gil estava sob escuta há sete meses quando um único telefonema levou a que fosse apanhado a vender informações sobre a NATO à Rússia

Micael Pereira

Micael Pereira

com

Jornalista

Luísa Meireles

Luísa Meireles

Redatora Principal

O caso estava para ser arquivado em breve, por falta de provas. Sete meses tinham passado sem que nada acontecesse, desde que o Departamento Central de Investigação e Ação Penal (DCIAP) abriu, em novembro de 2015, um inquérito-crime de contornos inéditos em Portugal, tendo como alvo um espião do Serviço de Informações e Segurança (SIS), por suspeitas de se ter tornado, a dada altura, um colaborador do SVR, o braço internacional dos serviços secretos russos, sucessor do GPU, o famoso 1º Diretório Principal do KGB que esteve na origem do arquivo Mitrokhin.

Durante esses sete meses, o suspeito não tinha cometido qualquer deslize. Não dissera nada de comprometedor ao telefone ou por email. Frederico Carvalhão Gil, um espião de 57 anos licenciado em Filosofia que entrou para o SIS ainda nos anos 80, pouco depois de o serviço ter sido criado, chegou a chefiar uma equipa de contraespionagem e era especialista em técnicas de contravigilância para detetar operações encobertas levadas a cabo em Portugal por serviços secretos de outros países. Sabia, por isso, o que fazer para evitar ser apanhado. Até que um breve telefonema, intercetado na semana passada pela Polícia Judiciária, acabou por denunciá-lo e precipitar uma operação-relâmpago montada pela PJ, pelo Ministério Público, pelo Tribunal Central de Instrução Criminal e com a colaboração das autoridades italianas.

Era a pista que faltava. Na quinta-feira, 19 de maio, Carvalhão Gil atendeu uma chamada de um concessionário da Audi a convidá-lo para um evento da marca alemã de automóveis. Ao declinar o convite, o espião justificou: “Não vou estar em Portugal”. Foi essa inconfidência que pôs os investigadores em alerta total.

Atualmente a exercer funções de analista no SIS, Carvalhão Gil tinha posto dois dias de férias mas não informara o serviço de que iria estar ausente do país, um procedimento obrigatório de acordo com as regras internas da secreta. Por que razão não o teria feito?

A PJ conseguiu identificar a agência através da qual o espião fez a reserva da viagem para Itália e na sexta-feira colocou uma pequena equipa de inspetores no mesmo voo, com destino a Roma. Iam munidos de uma carta rogatória, obtida em tempo recorde no Tribunal Central de Instrução Criminal, endereçada às autoridades estrangeiras de qualquer país onde viesse a ser preciso atuar, ao abrigo da cooperação judiciária internacional. Não havia a certeza de que Itália fosse o destino final de Carvalhão Gil.

No dia seguinte, sábado, 21 de maio, com a polícia e o Ministério Público italianos já a par do assunto e desde logo envolvidos na operação montada no terreno, o espião português foi sendo seguido até se sentar numa esplanada em Roma, onde se encontrou com um homem. Os dois trocaram envelopes e quando já se tinham despedido foram finalmente detidos. O envelope que o espião português recebeu continha dez mil euros em notas. E o envelope que o outro homem transportava tinha documentos relacionados com a NATO. A polícia italiana ainda hesitou quando foi confrontada com o facto de esse homem possuir um passaporte diplomático russo, mas acabou por colocá-lo em prisão preventiva depois de confirmar que o suspeito não tinha credenciais registadas em Itália, não estando por isso abrangido pelo regime de imunidade diplomática.

Os dois arguidos aguardam agora que os tribunais italianos decidam sobre um pedido de extradição para Portugal. A expectativa é que essa transferência para uma prisão em Lisboa aconteça durante o verão, numa altura em que as relações judiciais entre os dois países nunca estiveram tão boas, depois de em abril os tribunais portugueses terem concordado em extraditar para Itália uma ex-agente da CIA com nacionalidade portuguesa que foi condenada em Milão pelo rapto do imã Abu Omar em 2003.

Exposto na Eslovénia

Identificado no passaporte diplomático como Sergey N. P., de 46 anos, a cara do russo que foi desmascarado naquela esplanada de Roma há uma semana não era desconhecida nem da Polícia Judiciária nem de Júlio Pereira, o secretário-geral do SIRP, (Sistema de Informações da República Portuguesa), a cúpula que coordena e supervisiona os dois braços dos serviços secretos em Portugal – o SIS e o SIED.

No outono do ano passado, o secretário-geral do SIRP foi abordado pelos serviços secretos de um país ocidental. Foram contar-lhe que tinham fotografado Carvalhão Gil a encontrar-se com o mesmo russo em Liubliana, na Eslovénia. Essas fotografias, pelo modo clandestino com que foram tiradas, sem a aprovação prévia de um juiz, nunca poderiam servir de prova caso viesse a ser aberto um processo-crime, mas eram indícios suficientemente fortes para Júlio Pereira tomar uma posição. As suspeitas sobre a aparição do espião em Liubliana foram reforçadas pelo facto de ele ter então voado para Itália, fazendo o resto da viagem por estrada, atravessando a fronteira com a Eslovénia.

O SIRP contactou o Ministério Público e o inquérito-crime foi aberto, numa tentativa de reunir indícios formais de que estavam a ser cometidos crimes de espionagem, violação de segredo de Estado e, eventualmente, de corrupção e branqueamento de capitais, como se veio a confirmar. Durante a ‘Operação Top Secret’, como foi batizada, Carvalhão Gil foi mantido nas mesmas funções para que não desconfiasse de que estaria sob vigilância.

Uma fonte das secretas diz que este caso é revelador de duas coisas: que os serviços russos trabalham muito bem, mas a cooperação judiciária também. O que ainda não é claro é até que ponto a informação vendida pelo espião português seria sensível para a NATO. E para a nova guerra fria entre a Rússia e o Ocidente.

[Artigo publicado na edição do EXPRESSO de 28 maio 2016]

  • O espião português que tem a vida (quase) toda no facebook

    Agente do SIS foi detido por suspeitas de espionagem a favor da Rússia - detenção aconteceu sexta-feira, autoridades confirmaram segunda-feira. Tinha, e continua a ter, uma página no Facebook em que publica fotografias suas atuais e antigas, fotos de viagens a vários países de Leste e imagens da história da Rússia. Quem disse que um espião tem de ser discreto?