Siga-nos

Perfil

Expresso

Sociedade

Vhils, personalidade do ano para a Associação da Imprensa Estrangeira

  • 333

O ministro da Cultura, Luis Filipe Castro Mendes, faz a entrega do prémio ao artista

JOÃO RELVAS/LUSA

O artista, que recebeu esta segunda-feira o prémio, foi distinguido por ter contribuído “para levar o nome de Portugal ao exterior”, em 2015

O artista Alexandre Farto, que assina como Vhils, recebeu esta segunda-feira, em Lisboa, o prémio personalidade do ano da Associação da Imprensa Estrangeira em Portugal (AIEP), por ter contribuído "para levar o nome do país ao exterior", em 2015.

"O país - e a grande Lisboa em particular - afirmou-se como um centro da Arte Urbana. O contributo do Vhils para isso foi essencial", afirmou a presidente da AEIP, Alison Roberts, na sessão de entrega do prémio Martha de La Cal, que decorreu no IADE - Instituto de Arte e Design, em Lisboa.

Alexandre Farto, 28 anos, captou a atenção a 'escavar' muros com retratos, um trabalho que tem sido reconhecido a nível nacional e internacional e que já levou o artista a vários cantos do mundo.

Para Alison Roberts, no trabalho de Vhils "impressiona não só a sua habilidade com métodos e materiais, simbolicamente aliando a destruição à criação, mas a sua sensibilidade, a história do meio urbano e as vidas humanas nas comunidades onde ele trabalhou".

Alexandre Farto contou que recentemente esteve, com a sua equipa, no México, onde fez "uma série de intervenções em várias cidades".

"É interessante perceber como a arte tem o poder de criar uma relação com o ser humano e, a partir daí, criar diálogo e por o foco em situações nas quais a arte serve quase como uma arma para essas pessoas. É nesse sentido que o trabalho se tem espalhado e tem feito sentido em diversos sítios do mundo", afirmou.

O prémio foi entregue pelo ministro da Cultura, Luís Castro Mendes, que disse ser "admirador da obra de Vhils".

Segundo o governante, Vhils "encarna com grande brilho a dimensão internacional que os portugueses sabem assumir, não só pelas muitas exposições que tem feito, mas também pela obra notável que espalhou pelas ruas de cidade como Nova Iorque, Berlim, Paris, Moscovo, Hong Kong e até a estação espacial internacional".

"A forma como interpela os cidadãos e as cidades assume uma linguagem universal e essa capacidade para transformar a paisagem urbana degradada num espaço de diálogo sobre a condição humana, que a APEI lhe reconhece na atribuição do prémio, vai continuar a aprofundar-se cada vez mais e a engrandecer a nossa arte", defendeu.

Vhils cresceu no Seixal, onde começou por pintar paredes e comboios com 'graffiti', aos 13 anos, antes de rumar a Londres, para estudar Belas Artes, na Central Saint Martins, depois de não ter conseguido média para uma faculdade portuguesa.

A técnica que notabilizou Vhils consiste em criar imagens, em paredes ou murais, através da remoção de camadas de materiais de construção, criando uma imagem em negativo. Além das paredes, já aplicou a mesma técnica em madeira, metal e papel, nomeadamente em cartazes que se vão acumulando nos muros das cidades.

Em 2014, Alexandre Farto inaugurou a sua primeira grande exposição numa instituição nacional, o Museu da Eletricidade, em Lisboa. "Dissecação/Dissection" atraiu mais de 65 mil visitantes em três meses.

Esse ano ficaria também marcado pela colaboração com a banda irlandesa U2, para quem criou um vídeo incluído no projeto visual "Films of Innocence", que foi editado em dezembro de 2014, e é um complemento do álbum "Songs of Innocence".

Em 2015, o trabalho de Vhils também chegou ao espaço, à Estação Espacial Internacional (EEI), no âmbito do filme "O sentido da vida", do realizador Miguel Gonçalves Mendes.

No passado mês de março, inaugurou a primeira exposição individual em Hong Kong, "Debris", no topo do Pier 4 (Cais 4), uma mostra que reflete a cidade e a identidade de quem nela habita para ver e, sobretudo, "sentir".

Paralelamente ao desenvolvimento da sua carreira criou, com a francesa Pauline Foessel, a plataforma Underdogs, projeto cultural que se divide entre arte pública, com pinturas nas paredes da cidade, e exposições dentro de portas, em Lisboa.