Siga-nos

Perfil

Expresso

Sociedade

Incêndios. Fase Bravo começa domingo com três helicópteros Kamov operacionais

  • 333

António Pedro Ferreira

Segundo o secretário de Estado da Administração Interna, o dispositivo de combate a incêndios florestais contará com 6.000 operacionais e 1.500 viaturas no terreno

Três helicópteros Kamov, dos seis que integram a frota do Estado, estarão operacionais na fase Bravo do dispositivo de combate a incêndios florestais (DECIF) de 2016, que começa no domingo, disse o secretário de Estado da Administração Interna.

Em declarações à agência Lusa, em Fátima, distrito de Santarém, Jorge Gomes afirmou que o DECIF 2016 está "preparado para que o país encare mais um verão com toda a normalidade e com toda a naturalidade".

"Vamos ter cerca de 6.000 operacionais e 1.500 viaturas no terreno, vamos ter os meios aéreos, vamos ter os três Kamov, está resolvida essa questão, é uma não questão", frisou o governante.

O secretário de Estado apelou ainda aos cidadãos para que se comportem "de forma responsável" com o intuito de minimizar o risco de incêndio florestal.

"Apelo sempre aos cidadãos para que, com os seus comportamentos, façam com que não haja fogos. Se todos tivermos um comportamento responsável, se formos nós o primeiro agente de Proteção Civil, o ano vai correr bem", declarou Jorge Gomes.

Já o comandante operacional nacional da Autoridade Nacional de Proteção Civil (ANPC), José Manuel Moura, disse que "está tudo preparado" para o início da fase Bravo - que se estende de 15 de maio e 30 de junho - "sem nenhum constrangimento".

"As condições meteorológicas têm sido favoráveis [a que não existam fogos florestais) mas por outro lado prejudicam outras áreas, nomeadamente as cheias que ainda poderão existir no Tejo, Douro e Mondego. Mas o planeamento foi todo efetuado, dia 15 [de maio] estamos a postos para a fase Bravo", afirmou.

Já sobre a operacionalidade dos três helicópteros Kamov, José Manuel Moura disse "concordar plenamente" com o secretário de Estado: "é uma não questão", enfatizou.

A 26 de abril, intervindo na comissão parlamentar de Assuntos Constitucionais, Direitos, Liberdades e Garantias, o secretário de Estado da Administração Interna disse está a ser estudada a possibilidade de "abate e venda" do helicóptero Kamov de combate a incêndios florestais, acidentado desde 2012.

Na altura, afirmou ainda que os dois helicópteros restantes, - ambos inoperacionais um desde 2015 e outro desde 2013 - estão a ser reparados com o objetivo de virem a integrar o DECIF de 2017.

Sublinhou, no entanto, que, se "o processo de reparação for rápido", ainda podem integrar o DECIF deste ano.

Ainda segundo Jorge Gomes, o DECIF de 2016 vai contar com os três helicópteros pesados Kamov, num total de 47 meios aéreos.

  • Incêndios florestais. Mais meios não garantem melhor combate

    Estudo realizado por investigadores da Universidade de Trás-os-Montes e Alto Douro e da Faculdade de Engenharia da Universidade do Porto concluiu que é necessário introduzir “melhorias operacionais e de organização para minimizar a duração dos incêndios”