Siga-nos

Perfil

Expresso

Sociedade

Governo já podia ter descido preço dos combustíveis em dois cêntimos

  • 333

Dan Kitwood/Getty Images

A subida do preço do barril de Brent, devido às negociações da OPEP, não fazia parte das contas de António Costa. Promessa de descida do preço está posta em causa

Desde janeiro, o preço do lítro de gasóleo aumentou 11 cêntímos e o da gasolina 12 cêntimos. De acordo com as contas iniciais do Governo, bastaria a cada aumento de 4,5 cêntimos nos preços de referências dos combustíveis para que o Imposto sobre Produtos Petrolíferos baixasse um cêntimo. Mas parece que ainda não vai ser este mês que tal vai acontecer, conta o "Jornal de Notícias" esta segunda-feira.

A fórmula de redução do ISP foi revelada por Fernando Rocha Andrade, secretário de Estado dos Assuntos Fiscais, em fevereiro, mas até agora nunca foi aplicada.

A 12 de fevereiro deu-se um aumento de seis cêntimos do ISP, num contexto em que os preços do petróleo mantinham uma tendência de quedas constantes e raramente ultrapassavam a casa dos 30 dólares por barril, lembra o "JN". Com este aumento, o Governo de António Costa espera conseguir 120 milhões de euros.

Contudo, nem tudo corre a favor de António Costa. Entretanto, a Organização dos Países Exportadores de Petróleo, que está a dialogar para congelar os níveis de produção, fez subir o preço do barril de Brent em quase 21% nos últimos dois meses. Na semana passada, chegou aos 48 dólares.