Siga-nos

Perfil

Expresso

Sociedade

Até as divas são rejeitadas

  • 333

© Benoit Tessier / Reuters

Ela é a manequim mais bem-sucedida de todos os tempos. E, contudo, também ela foi rejeitada. 42 vezes, para sermos precisos. Afinal, há esperança...

"Olhos demasiado pequenos, nariz demasiado grande." Foi esta a crítica que Gisele Bundchen, a manequim brasileira de 35 anos que anunciou no ano passado a sua retirada das passarelas, mais ouviu no início da sua carreira, em 1995. "Lembro-me que me diziam que nunca iria aparecer numa capa de revista", contou a modelo à revista People. No entanto, não perdeu confiança em si mesma e continuou a trabalhar. Aos 16 anos, mudou-se para Nova Iorque, mas a sua vida não melhorou...

Nos primeiros dois anos, ia diariamente a castings, mas continuou a ouvir muitas críticas negativas. Foi rejeitada 42 vezes, partilha. Até que, em 1998, surgiu o primeiro momento-chave da sua carreira: o desfile para o estilista britânico Alexander McQueen. Meses depois, chegava a sua primeira capa de revista, a Vogue britânica.

A brasileira de origem alemã conta que encontrou apoio junto do pai. Foi este o conselho que ele lhe deu: "Da próxima vez dizes 'tenho um nariz grande que vem com uma grande personalidade'". Isso ajudou Gisele a ganhar força e a ir à luta. Descoberta num centro comercial, aos 14 anos, Gisele teve de perseverar durante quatro anos até conseguir "furar" e encontrar o seu caminho no difícil mundo da moda. Quatro anos mais tarde, Bundchen era a manequim com mais capas de revista e mais contratos das últimas décadas. A perseverança compensou.

A modelo brasileira Gisele despediu-se das passarelas em 2015, num desfile da marca Colcci, na São Paulo Fashion Week

A modelo brasileira Gisele despediu-se das passarelas em 2015, num desfile da marca Colcci, na São Paulo Fashion Week

© STRINGER Brazil / Reuters

Hoje, parece quase inverosímil olhar para Gisele Bundchen e pensar que ela foi reiteradamente recusada em castings - mas isto é comum a todas as top models. A alemã Heidi Klum também contou como foi recusada muitas vezes nos EUA, por o ideal de beleza na altura nada ter que ver com o dela. Todas as manequins contam como é duro ouvir "não" após "não" em castings infinitos. Os atores passam muito pelo mesmo processo. Importante de reter é mesmo a lição de resiliência por trás destas histórias. Gisele acreditou nela – com tanta força que a sua carreira aconteceu (naturalmente, o seu trabalho e profissionalismo terão contribuído para isso).

Vinte anos de carreira mais tarde, Gisele Bundchen continua a ser um dos maiores casos de sucesso da História da moda. No ano da sua retirada (2015), ganhou 38 milhões de euros – sendo que encabeça a lista da Forbes da maior fortuna no mundo da moda desde 2004. Hoje, aos 35 anos, casada com o jogador de futebol americano Tom Brady e mãe de duas crianças, Benjamin e Vivian, de 6 e 3 anos, Gisele é, aparentemente, uma mulher realizada.

Em 2011, criou a sua marca de "lingerie", 'Gisele Budchen Intimates'. A meditação, o exercício físico e a alimentação saudável fazem parte da sua vida. "Adoro aprender e criar e sinto que isso fará sempre parte da minha vida", afirma. "Só estou a esvaziar o balde para poder voltar a enchê-lo com coisas mais adaptadas a quem sou hoje." É esta mulher resiliente que tem no seu Instagram a seguinte frase: "Acredita no que queres com tanta força que não haja outra opção a não ser isso acontecer".