Siga-nos

Perfil

Expresso

Sociedade

Maria Luís Albuquerque líder do PSD? “Não se deve dizer nunca”

  • 333

Marcos Borga

Ex-ministra das Finanças diz que Programa de Estabilidade é “francamente um mau programa”, defende a manutenção de Carlos Costa no Banco de Portugal e assegura que a restruturação do Banif pelo anterior Governo era um bom plano

Ministra das Finanças outra vez? ”Não.” Mas, e primeira-ministra? Isso é outra história. Maria Luís Albuquerque, atual vice-presidente do PSD, não exclui, em entrevista ao "Diário de Notícias" esta sexta-feira, a possibilidade de vir a suceder a Pedro Passos Coelho como líder do partido. "Não se deve dizer nunca. Depende muito das circunstâncias. Se me pergunta se tenho vontade ou se tenha essa intenção: não a tenho, mas nestas matérias, afirmações absolutas de nunca parece-me contraproducente", afirma.

A ex-professora de Passos Coelho e ex-ministra das Finanças, numa entrevista onde assume em algumas questões o papel de professora, é muito taxativa quando à atuação do Governo e, em particular, à do seu sucessor na pasta Mário Centeno. O Programa de Estabilidade é "francamente um mau programa", diz; defende a manutenção de Carlos Costa no Banco de Portugal e assegura que a restruturação do Banif pelo anterior Governo era um bom plano.

Tal como defendeu quinta-feira no plenário na Assembleia da República, Maria Luís Albuquerque volta a descrever o Programa de Estabilidade (PE) e o Programa Nacional de Reformas (PNR) de irrealistas. "O PE e o PNR acabam por espelhar aquilo que é a inconsistência de uma governação que simultaneamente diz que quer cumprir compromissos mas que é apoiada por uma maioria que rejeita até a legitimidade desses compromissos e aquilo que é necessário para os atingir." Seja o défice de 2,2% para 2015 ou o de 1,4% para 2017, Maria Luís não vê forma, "pelo menos teoricamente", dessas metas serem atingidas.

Quanto à escolha de Passos Coelho de chamá-la para dar resposta a Mário Centeno no debate desta quinta-feira, a atual deputada considera tratar-se de algo normal, pois tem “mais conhecimento nestas áreas” e é também a vice-presidente do partido. Passados três meses da execução orçamental ter sido entregue a António Costa, diz estar preocupada com os pagamentos em atraso: “Revela descontrolo e uma provável inconsistência entre as metas traçadas pelo Orçamento e aquilo que são as necessidades dos diversos sectores”.

Relativamente à venda do Banif por um valor tão reduzido, Maria Luís Albuquerque garante, mais uma vez, que foi uma surpresa. “Nós estávamos, quando cessámos funções, muito confiantes de que com aquele plano de reestruturação teríamos um desfecho que teria para os cofres do Estado um impacto que seria uma pequena parcela daquilo que foi efetivamente. O aconteceu no fim, os valores que estiveram envolvidos, foram uma surpresa e é uma matéria que tem de ser esclarecida.”

Já quanto à venda do Novo Banco, disse estar confiante que esta se vai realizar com sucesso. "Importa recordar que a resolução do BES se fez sem dinheiro dos contribuintes: houve um empréstimo do tesouro de 3900 milhões de euros mas foi um empréstimo e tem de ser devolvido aos contribuintes. A incerteza sobre se o valor da venda vai ou não ser suficiente para cobrir esse mais os outros empréstimos de recursos da banca que foram colocados para o total de 4900 milhões de euros, pesa sobre os bancos e era importante que fosse esclarecida o quanto antes."

  • Passos envia Maria Luís contra Centeno

    A vice-presidente do PSD vai intervir no debate parlamentar desta tarde sobre o Programa de Estabilidade e o Programa Nacional de Reformas. A ex-ministra das Finanças vai enfrentar o seu sucessor no cargo, Mário Centeno