Siga-nos

Perfil

Expresso

Sociedade

PGR nega que Brasil tenha pedido dados sobre publicitário de Passos

  • 333

luís barra

Nome de André Gustavo, o marketeer da campanha eleitoral de Pedro Passos Coelho, não surge afinal em Portugal relacionado com a Operação Lava-Jato

Hugo Franco

Hugo Franco

Jornalista

A Justiça portuguesa não recebeu qualquer tipo pedido de ajuda ou de informação sobre o publicitário brasileiro André Gustavo, o marketeer da campanha eleitoral de Pedro Passos Coelho nas eleições legislativas de 2011 e 2015.

Em resposta ao Expresso, o gabinete de comunicação de Joana Marques Vidal refere que "no âmbito da designada Operação Lava Jato, e até ao momento, não foi recebido na Procuradoria-Geral da República nenhum pedido relacionado com o cidadão brasileiro André Gustavo".

A notícia tinha sido avançada ontem pelo "Público" e citada pelo Expresso.

Segundo o "Observador", o irmão do publicitário, António Carlos Vieira da Silva Júnior, foi detido a 22 março no Recife (capital do Estado de Pernambuco) no âmbito da 26.ª fase da Operação Lava Jato, denominada “Xepa”, tendo sido conduzido à sede da Polícia Federal para prestar esclarecimentos sobre o seu alegado envolvimento no caso. Mas foi libertado no mesmo dia.

Ainda segundo o site, António Carlos é irmão e sócio de André Gustavo Vieira da Silva na empresa Arcos Propaganda.

Contactada pelo Expresso ainda durante a noite de quarta-feira, a Polícia Federal do Estado do Paraná garantia não poder fazer comentários sobre o caso. "Não prestamos qualquer tipo de declarações sobre a Operação Lava-Jato", disse um dos responsáveis pelo departamento de comunicação da polícia brasileira.

O "Público" cita documentos emitidos em Março de 2016 pela Polícia Federal do Estado do Paraná: “Em consultas a fontes abertas, a Arcos Comunicação é mencionada por sua actuação, na pessoa de André Gustavo Vieira da Silva [conhecido por André Gustavo], em campanha eleitoral em Portugal”, pode ler-se.

  • O homem que liderou a campanha de Passos: “Eu não gosto de protagonismo, nem de showzinho”

    André Gustavo, o especialista em publicidade e comunicação política que dirigiu a campanha de Passos Coelho, reconhece que o momento mais difícil foi o debate das TV. Em entrevista, fala dos erros do PS e da campanha “científica” da coligação, com sondagens e focus group permanentes, para medir a cada momento o que pensava o eleitorado e “perceber até onde se deve ir ou não se deve ir”. No dia em que se soube que André Gustavo foi apanhado pela investigação Lava-Jato, no Brasil, republicamos um artigo que saiu originalmente na edição de 8 de outubro de 2015 do Expresso Diário