Siga-nos

Perfil

Expresso

Sociedade

Mais de metade dos bebés nascidos em 2015 são de pais não casados

  • 333

Rui Ochôa

No ano passado nasceram mais meninos (43.685) do que meninas (41.815), segundo os dados que têm origem na informação registada nas Conservatórias do Registo Civil

Mais de metade dos bebés nascidos em Portugal no ano passado eram de pais que não estavam casados, segundo dados do Instituto Nacional de Estatística (INE), realidade que estabelece uma mudança com o passado, já que até 2015 a maioria dos nascimentos ocorreu dentro do casamento.

As Estatísticas Vitais do INE, divulgadas, referem que em 2015 a proporção de nascimentos "fora do casamento" aumentou para 50,7% (49,3% em 2014 e 41,3% em 2010). Segundo o mesmo instituto, este aumento tem sido "particularmente influenciado pelo aumento da proporção de nascimentos fora do casamento sem coabitação dos pais".

Dos 50,7% dos nascimentos ocorridos fora do casamento (de pais não casados), em 16,3% dos casos os pais não viviam juntos (15,8% em 2014 e 9,2% em 2010).

O ano de 2015 também marcou uma interrupção nas baixas consecutivas no número de nascimentos que se verificavam desde 2010.

As estatísticas do INE referem que no ano passado nasceram 85.500 nados-vivos de mães residentes em Portugal, um aumento de 3,8% face a 2014 (82.367). Comparando com 2010, ano em que nasceram 101.381 bebés, registou-se uma quebra de 18,5% no número de nascimentos.

Entre 2010 e 2015, o mês de setembro é aquele em que se observa o maior número de nascimentos de crianças com vida (exceção em 2011, em que o mês com maior número de nascimentos foi julho). Por outro lado, o mês com menor número de nascimentos tem sido o mês de fevereiro (exceção também em 2011 em que o mês com menor número de nascimentos foi abril).

No ano passado nasceram mais meninos (43.685) do que meninas (41.815), indicam os dados que têm origem na informação registada nas Conservatórias do Registo Civil até março de 2016.

Relativamente à idade das mães, verificou-se uma diminuição de 1,3 pontos percentuais, entre 2010 e 2015, na proporção de nascimentos cujas mães tinham menos de 20 anos e uma diminuição de 6,4 p.p. nas mães entre os 20 e os 34 anos. Em contrapartida, verificou-se um aumento de 7,7 p.p. nas mães que tiveram bebé com 35 ou mais anos.

De acordo com o Instituto Nacional de Estatística, Portugal mantém um saldo natural negativo pelo sétimo ano consecutivo. Em 2015, o saldo natural situou-se em -23 011 (-22 423, em 2014).