Siga-nos

Perfil

Expresso

Sociedade

“Secos e Molhados” na primeira pessoa: (Re)viver a História

  • 333

Rui Ochôa

Foi há 27 anos que Portugal assistiu à violenta manifestação de protesto de agentes da PSP que ficou conhecida como “Secos e Molhados”. António Machado esteve lá, fardado e armado, no 21 de abril de 1989 no Terreiro do Paço. Foi um dos molhados e recorda em texto para o Expresso esse momento: “Todos sabíamos que o 25 de Abril podia chegar à nossa Polícia”

António Machado

Não há muitos momentos na vida de uma pessoa que se possa dizer que está a viver a História. Não com a intensidade com que os acontecimentos se precipitaram no dia 21 de abril de 1989. O ambiente já era tenso, as perseguições por parte da hierarquia continuavam, mas todos sabíamos, quando na Voz do Operário votámos a entrega daquele documento no Ministério da Administração Interna, que o passo decisivo estava dado, que o 25 de Abril podia chegar à nossa Polícia.

Quando chegámos à Praça do Comércio, apercebemo-nos de algumas movimentações e sabíamos, por intermédio de colegas que estavam de serviço, que o Corpo de Intervenção estava mobilizado nas imediações. Mas também estaria a mentir se dissesse que alguma vez pensei que iria viver o que se passou a seguir.

Ouvimos a ordem clara, que surgiu de um megafone: “Atenção, têm cinco minutos para dispersar!”

Quando os camiões surgiram, e os nossos colegas com os cães e os bastões, houve um sentimento estranho entre todos, creio. O que fazer perante aquele cenário? E os colegas que estavam do outro lado e dariam tudo para estar connosco numa luta que também era deles? Os mesmos que, na noite anterior, andaram connosco às escondidas a distribuir documentos?

Ninguém saiu, apesar da ordem, e quando foram acionados os canhões de água a confusão foi total.

Alguns de nós estavam fardados e armados, perante colegas em serviço. Aquilo durou tudo cerca de uma hora, houve feridos, colegas em lágrimas, e a revolta acentuou-se ainda mais quando soubemos da detenção da delegação de cinco elementos que estava dentro do Ministério. O 21 de abril de 1989 não foi o fim de coisa alguma, foi o início de uma história que ainda hoje estamos a construir.

Mas com as dificuldades que o poder político nos coloca é muito difícil as forças de segurança, especialmente a PSP, conseguirem ter estabilidade para o bom desempenho da sua função que é, em primeiro lugar, proteger e defender o cidadão.

Uma palavra de gratidão para Torres Couto, da UGT, e Carvalho da Silva, da CGTP, que muito nos ajudaram e cuja presença naquele dia de sentimentos tão díspares evitou que aquela vergonha não tivesse proporções muito mais graves.

Uma nota final: fico triste, mas muito triste, por ter tido como Presidente da República durante dez anos aquele que foi o primeiro-ministro que autorizou e consentiu que chegássemos ao ponto de ter polícias a bater em polícias, num país que vivia em democracia desde 1974.