Siga-nos

Perfil

Expresso

Sociedade

Morais Sarmento: “Apeteceu-me dar dois murros no Carrilho quando fui ministro”

  • 333

Morais Sarmento recusa revelar quem é o seu candidato de eleição

FOTO TIAGO MIRANDA

Morais Sarmento não poupa críticas a João Soares no caso das bofetadas: o ex-ministro da Cultura teve “falta de cuidado” numa “intervenção com alguma arrogância”

Talvez seja um problema provocado pelo stresse da vida política; talvez seja necessário encontrar formas de descompressão para evitar uma "bofetização" da política. Depois de João Soares, ex-ministro da Cultura, foi agora a vez de Nuno Morais Sarmento confessar vontades semelhantes quando foi ministro da Presidência do Conselho de Ministros, em declarações à Rádio Renascença, no programa "Falar Claro" . "A mim apeteceu-me dar dois murros no [Manuel Maria] Carrilho quando fui ministro", confessa.

Morais Sarmento não poupa críticas a João Soares no caso das bofetadas: o ex-ministro da Cultura teve "falta de cuidado” numa “intervenção com alguma arrogância”, diz. Mas não deixou o cargo por ser mau ministro, explica o social-democrata. “Agora, ele esqueceu-se que o tempo do Carlos Candal já lá vai. A maneira como ele fez, em relação a António Lamas e depois nesta situação, mostram uma falta de cuidado."

Enquanto comentava o caso das bofetadas de João Soares com Vera Jardim, Morais Sarmento admitiu que a ameaça de violência física já lhe tinha passado pela cabeça quando, em 2002, houve uma grande polémica entre ele e Manuel Maria Carrilho.

Nesse ano, Sarmento disse não conhecer "um único escrito, pensamento ou intervenção com preocupação cultural antes de 95" da autoria de Carrilho, acusando-o de ser um "novo rico da cultura portuguesa". Carrilho terá respondido de forma "suja", na época, em entrevista ao Expresso: evocou o passado como toxicodependente do então ministro da Presidência. Morais Sarmento era mais "tentado pela assídua frequência do Casal Ventoso do que pela visita a boas livrarias, umas horas de biblioteca ou até, se calhar, pela simples leitura de jornais“, afirmou Manuel Maria Carrilho.

  • Pulido Valente: “Cá fico à espera das bofetadas”

    “Sou um homem pacífico”, reagiu João Soares à polémica instalada à volta das bofetadas por ele prometidas a Augusto M. Seabra e a Vasco Pulido Valente, na sua conta do Facebook. “Peço desculpa se os assustei”, finalizava a sua declaração ao Expresso enviada por SMS

  • João Soares promete “bofetadas” a colunistas

    Através da sua conta no Facebook, o ministro da Cultura ameaça dar “um par de bofetadas” aos colunistas Augusto M. Seabra e Vasco Pulido Valente, do “Público”. Em causa está um artigo de opinião escrito pelo primeiro