Siga-nos

Perfil

Expresso

Sociedade

Medina lança programa para uma Lisboa para as “verdadeiras classes médias”

  • 333

Nuno Fox

As rendas médias do Programa Renda Acessível deverão ser de €250 para um T0, €350 para um T1 e €450 para um T2. Estes valores são “significativamente abaixo dos que estão disponíveis no mercado”, estando em causa diferenças de “30 a 40%”, disse Fernando Medina

Quantas pragas já foram rogadas e artigos do opinião escritos sobre a "turistificação" de Lisboa? E sobre o aumento das rendas, que tornam a cidade cada vez mais cara para os jovens que se querem fixar? Fernando Medina apresentou esta quarta-feira o prometido Programa Renda Acessível (PRA), cujo público-alvo disse serem as "verdadeiras classes médias", em particular os jovens. Esta iniciativa da câmara municipal de Lisboa permitirá a disponibilização, em várias zonas da cidade, de cinco a sete mil imóveis, com rendas entre os 250 e os 450 euros, escreve o jornal "Público" esta quinta-feira.

Fernando Medina já tinha anunciado esta ideia, a quando da sua tomada de posse como presidente da câmara. Passado exatamente um ano, cumpriu. Segundo o "Público", a ideia de base é que o município afete terrenos e prédios de que é proprietária a este programa e financie “as obras de urbanização gerais” e os “equipamentos coletivos de proximidade”, como creches e escolas. Outra missão será definir “normas de qualidade para a construção, manutenção e conservação” dos edifícios.

“Este programa dirige-se às verdadeiras classes médias”, resumiu o presidente da câmara, acrescentando que os jovens são “o destinatário primeiro” desta iniciativa. O grande objetivo, acrescentou, é “dar-lhes oportunidades para que possam viver na cidade de Lisboa”, conta o "Público".

As rendas médias do PRA deverão ser de 250 euros para um T0, 350 para um T1 e 450 para um T2. Estes valores, sublinhou Fernando Medina, são “significativamente abaixo dos que estão disponíveis no mercado”, estando em causa diferenças de “30 a 40%”.

As habitações do PRA serão atribuídas por sorteio e poderão concorrer pessoas cujos rendimentos anuais líquidos variem entre os 7500 e os 40 mil euros ilíquidos.