Siga-nos

Perfil

Expresso

Sociedade

A joia de D. Amélia que ninguém quis

  • 333

DR / SOTHEBY'S

Um alfinete de peito raro de 12 quilates, pertencente à rainha D. Amélia, mulher do rei D. Carlos, foi esta terça-feira a leilão. Mas ninguém licitou aquela que era uma das “estrelas” da praça, em Hong Kong

Uma rara e preciosa joia que pertenceu à rainha D. Amélia – mulher do rei D. Carlos e mãe do último rei de Portugal, D. Manuel II – foi a leilão esta terça-feira, em Hong Kong. Desenhada em finais do século XIX, com diamantes-rosa, esmeraldas, ouro e prata, o precioso alfinete de peito da rainha tinha um valor de licitação entre cerca de um milhão e 1,3 milhões de euros, sendo considerada uma das "estrelas" do leilão.

Mas não apareceram interessados e a joia não foi vendida, por não ter sido apresentada qualquer licitação, revelou fonte da leiloeira Sotheby's à agência Lusa.

"A grandeza deste broche reside não só na sua proveniência, mas também nas três atrativas esmeraldas colombianas, naturais e sem tratamento de clareza, em que a pedra central pesa uns impressionantes 12 quilates", pode ler-se no catálogo do leilão. As esmeraldas, realça a leiloeira, são "de elevado grau de clareza, raramente encontrado hoje".

Segundo a Sotheby's, a não-licitação desta peça causou alguma estranheza e espanto junto dos especialistas já que, afirma a leiloeira, "um broche nobre com estas pedras preciosas importantes atrai tanto aficionados e colecionadores de joias, como os conhecedores de pedras preciosas".

A joia terá sido oferecida a D. Amélia pelo seu padrinho, Luís, duque de Aumale, aquando do casamento da rainha com D. Carlos, em 1889. O alfinete de peito não se encontra em mãos portuguesas há décadas, tendo entretanto pertencido a uma princesa da casa real da Jugoslávia. A sua última proprietária – a esposa de um multimilionário americano – terá vendido a peça à leiloeira Sotheby's, em Nova Iorque, em dezembro de 1999.

Ainda no mesmo leilão, foi batido o recorde da venda mais cara por uma pedra preciosa na Ásia, com um pequeno diamante azul a ser vendido por 31,8 milhões de dólares (28 milhões de euros). Já o destino da joia portuguesa continuará nas mãos da Sotheby's, proprietária da peça.

D. Amélia, mãe do último rei de Portugal, D. Manuel II, partiu para o exílio em Inglaterra em 1910, aquando da implantação da república. Viveu em Inglaterra e mais tarde em França, no seu palácio em Versalhes, onde morreria em outubro de 1951. Em 1945, efetuou uma visita a Portugal a convite de Salazar. O corpo da monarca encontra-se sepultado no Panteão Nacional, em Lisboa.