Siga-nos

Perfil

Expresso

Sociedade

Manuais escolares não aumentam no próximo ano letivo

Alunos do 1º ano vão receber livros gratuitos, mas apenas os que frequentam as escolas públicas

Os ministérios da Educação e da Economia já chegaram a acordo com a Associação Portuguesa de Editores e Livreiros (APEL) e ficou decidido que no próximo ano letivo o preço dos manuais escolares não sofrerá qualquer aumento. A convenção assinada estabelece ainda que no ano letivo seguinte, em 2017/18, a variação vai seguir a taxa de inflação.

"Contrariando o aumento verificado nos últimos quatro anos, este acordo permitirá aliviar a pressão dos encargos com a educação nos orçamentos das famílias portuguesas", sublinha o Ministério da Educação em comunicado.

Na mesma nota, a tutela recorda que também a partir do próximo ano os alunos do 1º ano já não pagarão pelos seus manuais escolares. Os detalhes sobre a forma como esta medida vai ser posta em prática ainda não são conhecidos, mas a ideia é que os pais devolvam os livros no final do ano, permitindo assim a sua reutilização. De fora desta oferta ficarão as crianças que frequentam o ensino privado.

O Governo pretende depois estender esta medida a outros anos de escolaridade. "Com vista à efetivação deste modelo em todos os ciclos de ensino, será constituído um grupo de trabalho, do qual decorrerá um plano plurianual de implementação do modelo de gratuitidade na aquisição e reutilização de manuais escolares e recursos didáticos", explicou então o ministério.

A gratuitidade dos manuais no 1º ano de escolaridade custará cerca de três milhões de euros para o próximo ano letivo.

Desde 2012 que o limite do aumento anual dos manuais escolares estave fixado nos 2,6%, bem acima da taxa de inflação nos anos mais recentes. A introdução deste limite, em vez da manutenção da indexação à evolução dos preços com a possibilidade de um agravamento de cerca de 1%, foi acordada entre Governo e editores como forma de proteger as famílias, "tendo em conta a situação económica adversa do país".

Acabou por acontecer o contrário, já que a inflação caiu até próximo dos 0% e as famílias tiveram de suportar aumentos de 2,6%.