Siga-nos

Perfil

Expresso

Sociedade

Turista na Madeira atira-se ao mar para apanhar cruzeiro que perdeu

  • 333

BERND WUESTNECK / AFP / Getty Images

Uma turista inglesa chegou à Madeira a bordo de um cruzeiro e decidiu regressar a Inglaterra de avião. Mas quando viu o barco partir, mudou de ideias e atirou-se ao mar, começando a nadar em direção ao barco, sempre de mala na mão

Uma turista de nacionalidade inglesa foi resgatada na madrugada desta segunda-feira por pescadores madeirenses na zona de Santa Cruz, a cerca de 500 metros da costa. Mas o que poderia ter sido um mero acidente na ilha da Madeira tem afinal contornos bem mais insólitos que isso. Tudo por um barco perdido.

Refaçamos a viagem. O navio de cruzeiro “Marco Polo” chegou à Madeira este sábado, um dos muitos barcos turísticos que a ilha recebe durante o ano. Entre os passageiros seguia uma cidadã inglesa, de 65 anos, acompanhada do marido. Factos em tudo normais, não fosse o que se seguiu: no momento em que o barco zarpou, por volta das 20h, a turista inglesa não se encontrava a bordo.

Em declarações à Lusa, o comandante da Capitania do Funchal, Félix Marques, explicou que, por razões ainda não apuradas, a senhora terá decidido regressar a Inglaterra de avião. Por isso, ter-se-á deslocado para a zona de Santa Cruz, a leste do Funchal, onde se encontra o Aeroporto Internacional da Madeira.

Mas ao ver o “Marco Polo” passar na costa, já depois das 20h, mudou novamente de ideias. Dirigiu-se à beira-mar e atirou-se à água, começando a nadar em direção ao navio, sempre agarrada à sua mala de mão.

Não conseguindo chegar ao barco, a turista ter-se-á aguentado no mar até por volta da meia-noite, altura em que a tripulação de um pequeno barco de pesca a ouviu gritar a 500 metros da costa, acabando por socorrê-la. Os bombeiros fizeram depois o transporte da turista, bastante debilitada e ainda de mala na mão, para um hospital no Funchal, onde ficou internada.

Ainda não se sabe o que terá levado a cidadã britânica a atirar-se ao mar para apanhar o barco. Mas certo fica que o barco que queria apanhar há muito que partiu.