Siga-nos

Perfil

Expresso

Sociedade

“Eles dizem que tu caminhas sobre a água!”

  • 333

Teresa Abraços numa das suas visitas a Santana

Pioneira do surf feminino em Portugal e campeã nacional da modalidade em 1996, Teresa Abraços tem viajado nos últimos anos para São Tomé e Príncipe para organizar o Campeonato Nacional de Surf, que já vai na 4ª edição. A próxima visita ao país acontece dentro de poucos dias

Helena Bento

Jornalista

Há cerca de seis meses, quando decorria em Peniche a 10ª e penúltima etapa do campeonato mundial de surf, Teresa Abraços, uma das primeiras mulheres a fazer surf em Portugal, falava-nos do quão importante tinha sido para ela continuar a surfar depois de deixar a competição. Do quão importante era para ela partilhar a sua paixão pelo surf. “Há surfistas que só competiram e arrumaram a prancha e outros que só foram freesurfers. Eu gosto de sentir que estou a viver os vários lados do surf, e tudo o que houver para viver no surf, e com o surf, eu vou tentar.”

Além de fazer voluntariado na Associação Portuguesa de Surf Adaptado (SurfAddict), que tem como missão levar pessoas com deficiência à praia e ensiná-las a deslizar nas ondas, proporcionando-lhes um dia e uma experiência diferentes, Teresa, que há 20 anos foi campeã nacional de surf, viaja desde 2009 para locais onde a modalidade é menos, “senão totalmente” desconhecida, apoiadas pela TAP, onde ela trabalha enquanto gestora de rotas.

No passado, Teresa viajou para países como o Senegal, Venezuela, Gana, Moçambique. Também esteve em São Tomé e Príncipe, e é lá que tem voltado todos os anos. Em vésperas de partir para o país (o voo está marcado para a próxima quarta-feira, dia 30), a ex-campeã nacional explica ao Expresso que o principal objetivo da viagem é colaborar na organização do 4º Campeonato Nacional de Surf de São Tomé, como tem vindo a fazer em anos anteriores, contando para isso com o apoio do Grupo Pestana Hotéis e a ajuda de dois outros surfistas portugueses que vivem e trabalham na região de Santana, onde irá decorrer o evento.

Participar no campeonato é uma forma de permitir aos miúdos da comunidade “ficarem a conhecer como funciona a competição de surf e habituarem-se à disciplina”, que lhes pode vir a ser útil no dia-a-dia, explica Teresa. Mas durante o evento o que se pretende, acima de tudo, “é que os miúdos tenham um fim de semana divertido, em que possam surfar e evoluir pela partilha de experiências”. “Nós procuramos juntar surfistas de várias comunidades do país, desde a zona de Porto Alegre, no sul de São Tomé, às zonas mais próximas da capital, como Santana e Ribeira Afonso.”

Teresa acompanha grande parte daqueles miúdos da comunidade de Santana desde o momento em que eles, pela primeira vez, se colocaram em cima de uma prancha. Por isso, sabe como o surf lhes tem permitido “ocupar os tempos livres de uma forma saudável e desenvolver valores que lhes são úteis noutras vertentes da vida”. Além disso, há também a esperança que a modalidade “lhes possam vir a proporcionar um modo de vida sustentável”, alugando as pranchas que ela leva de cá ou dando aulas de surf, sobretudo a turistas.

Apesar de a primeira viagem ter sido em 2009, a verdade é que tudo isto começou antes, muito antes disso. Em 1997, Teresa viajou para a Costa do Marfim e, entre outras experiências e pequenas revelações, percebeu que “o surf pode funcionar como uma linguagem universal”. “As crianças mais pequenas só falavam o dialeto local, o que não impediu de partilharmos sorrisos e expressões de satisfação quando as coloquei a deslizar deitadas na minha prancha ou quando ficaram a observar-me a surfar, em pé na prancha. Foi emocionante vê-las soltar grandes gargalhadas e apontarem para mim com ar de espanto”. Teresa diz que nunca esquecerá a frase de um dos rapazes que, no francês aprendido na escola, lhe explicou o porquê de tanta “euforia” e “admiração” à volta dela nesses primeiros tempos - “Eles dizem que tu caminhas sobre a água!”.