Siga-nos

Perfil

Expresso

Sociedade

Milhares de professores com mais de 10 anos de serviço vão continuar fora dos quadros

  • 333

Nuno Crato, o ex-ministro da Educação, é um dos culpabilizados pela situação

José Carlos Carvalho

Concurso para a vinculação de contratados abriu na semana passada com apenas 100 vagas nos quadros. Os lugares serão atribuídos em primeiro lugar a quem tenha cinco contratos anuais, sucessivos e completos, e não necessariamente a quem tem mais dias de profissão no total. Podem ficar de fora professores com mais de 20 anos de serviço, escreve o “Diário de Notícias”

Só há 100 vagas para os muitos professores que todos os anos tentam a sua sorte e garantir finalmente um lugar no quadro, o que significa que milhares com vários anos de serviço continuarão a não conseguir um vínculo ao Estado. Com 10 ou mais anos de experiência serão mais de 9 mil, conta o “Diário de Notícias” esta segunda-feira, a partir de um levantamento feito por Arlindo Ferreira, autor de um blogue especializado em contratação.

Os números foram calculados a partir das listas do concurso do ano passado e mostram ainda que há 363 professores contratados que contabilizam mais de 20 anos de serviço. E que podem voltar a ficar de fora da vinculação.

O “DN” lembra que estas 100 vagas podem não ser preenchidas pelos professores com mais antiguidade, devido à “norma-travão” implementada por Nuno Crato em 2012 e que determina a entrada nos quadros de todos os que completem cinco contratos anuais, sucessivos e completos.

No ano passado, mais de 700 cumpriram esses requisitos e conseguiram ingressar na carreira por esta via. Mas as 1500 vagas abertas no total permitiram ainda a entrada de 800 docentes que estavam no topo das listas de graduação. Mesmo assim, lembrou Mário Nogueira, secretário geral da Fenprof, “houve muitos com bastante tempo de serviço que ficaram de fora”. “Em alguns casos, bastou que um professor, num desses cinco anos, tivesse um horário de 21 horas, em vez de 22, para não entrar”.

O caso mais extremo das listas citadas pelo "DN" é de um candidato à contratação que já somava 37 anos de serviço.

[Notícia atualizada às 13h30]